E afinal, existe salvação para o rock nacional?

Eu, você, seus vizinhos, enfim, quem nunca se perguntou, não é mesmo? Afinal, existe ou não uma salvação? Não, não estamos falando de igreja, mas sim, de um dos estilos mais queridos por todos: Sim, o Rock nacional. Criado há muitos anos, ele é hoje um dos estilos mais queridos por todos.

Mais do que amado, ele é também um dos que mais geraram bandas. De Mutantes a Rita, aos lendários Lobão e Paralamas. Isso, é claro, sem contar toda uma gama de artistas e profissionais, que em parte, contribuíram e muito para o sucesso do estilo. Em outras palavras, o rock não apenas sobrevivia, mas criava uma série de hits importantes. Mais do que isso, músicas que eternizavam não apenas um conceito, como também, toda uma importância cultural.

Há quem diga, que canções como “Alagados”, por exemplo, tragam não apenas uma experiência rítmica diferente, como também, todo um anseio de uma juventude. Carente, perseguida, idealizada. “Polícia”, aliás, talvez seja a música que mais engajamento possui. Sua letra então, uma verdadeiro clássico: “Dizem que ela existe pra ajudar, dizem que ela existe pra proteger, mas sei que ela pode te parar, sei que ela pode te prender. Polícia para quem precisa, polícia para quem precisa de polícia…”

Sucesso, ou declínio de um estilo?

E claro, como todos sabem, o rock passaria por várias fases diferentes. Eu mesmo, conheceria várias bandas interessantes: Mamonas, Raimundos, Charlie Brown, Pato Fu. O que eu não imaginava, talvez, era que o rock cairia tanto de produção. E antes que pergunte, não! Eu não estou exagerando. Vejamos, por exemplo, o caso da Restart. Sim,uma banda chamada “recomeço?!”.

Via de regra, não se sabia o que era pior: se as letras, as músicas, o visual. O visual então, nem se fala né? Verde, vermelho,amarelo. Isso é claro, sem contar o laranja. O mais berrante possível.

Futuro ou passado, o que esperar do estilo?

E olha, quanto a isso, é uma questão complicada, viu? Aliás, se eu pudesse, sim, eu diria a resposta. Se, de repente, um revival anos 80, ou várias bandas novas. O que eu espero, de verdade, é que o rock sobreviva. E mais do que isso, que volte as origens. Com as roupas, cabelos, jaquetas.

Que se reinvente, que se recrie, que volte ao preto. Sim, o rock sempre foi preto, sempre foi atitude. Não sei vocês, mas pra mim, ele jamais morrerá!!

Receba mais em seu e-mail
Topo