Início Curiosidades

Descubra 9 fatos curiosos sobre as Olimpíadas

As Olimpíadas são o maior evento esportivo do mundo, unindo as principais modalidades esportivas em um único mês de puro lazer e competição. Com cobertura global, os Jogos Olímpicos unem diferentes países apenas para competir, sendo um dos poucos momentos em que todas as diferenças são deixadas de lado apenas para que algo seja celebrado.

No entanto, o evento não começou da maneira como é hoje, e algumas bizarrices já aconteceram ao longo da história. Se você está curioso para conhecer os principais fatos curiosos envolvendo as Olimpíadas, confira o nosso artigo e fique por dentro de tudo o que já rolou de mais estranho envolvendo o maior evento esportivo da Terra.

Foto: (reprodução/internet)

São bem mais antigos do que se imagina

A maioria das pessoas sabe que os Jogos Olímpicos começaram na antiguidade, porém, pouca gente tem noção do quanto isso faz tempo que começou. Para se ter uma ideia, nem mesmo Jesus Cristo tinha nascido quanto a tradição das Olimpíadas teve seu pontapé inicial.

Foto: (reprodução/internet)

Os Jogos tiveram início no século VIII a.C., na Grécia. Assim como acontece hoje, era realizado a cada quatro anos, e a tradição durou cerca de 12 séculos seguidos. São mais de 1000 anos de continuidade, isso sem contar o período atual.

No entanto, uma pausa aconteceu durante esse período. No século IV d.C., por ordem do Imperador Teodósio I, todas as festividades que eram consideradas pagãs foram proibidas, e por conta disso, as Olimpíadas acabaram tendo que fazer uma breve pausa, afinal, ninguém queria ser inimigo do Imperador da época.

Tarzan é medalhista olímpico

Por incrível que pareça, o Tarzan já competiu nas Olimpíadas, e isso não é piada. Johnny Weissmuller, o ator que interpretou o papel de um dos personagens mais conhecidos de toda a cultura pop, em 12 filmes, já competiu nos Jogos Olímpicos em 1920.

Foto: (reprodução/internet)

O lado curioso disso tudo é que Johnny conseguiu vencer quando participou das Olimpíadas, se destacando tanto como artista, como também como atleta. Era um excelente nadador, e por isso, conseguiu levar algumas medalhas de ouro para os Estados Unidos em jogos realizados em Antuérpia, na Bélgica.

Johnny venceu nada menos do que 5 provas, conseguindo bastante destaque no meio esportivo por conta disso. Como se já não bastasse ser um dos melhores atores de seu tempo, ele também conseguiu se destacar por ser um dos melhores atletas da época. Johnny era diferenciado.

A Tocha Olímpica só pode ser acesa com fogo grego

A Tocha Olímpica nunca deve se apagar, devendo ficar acesa durante toda a realização dos Jogos Olímpicos. A Tocha é acesa à moda antiga, não podendo ser acendida com um isqueiro qualquer, por exemplo. Tudo é feito através de espelhos e com o auxílio da luz do sol.

Foto: (reprodução/internet)

A cerimônia acontece na Grécia, com mulheres vestindo trajes em homenagem à deusa Hera, usam o espelho para refletir a luz do sol e acender a Tocha. O fogo, geralmente, não apaga, porém, sabendo desse risco, os organizadores do evento criaram uma solução para isso.

Toda vez que o fogo é aceso, eles também acendem uma pequena chama reserva, da mesma maneira que a primeira é acesa. Caso o fogo da Tocha apague, essa chama reserva é utilizada, sendo que o fogo de um simples isqueiro, ou ainda de um fósforo, não pode ser utilizado.

A origem das cores dos arcos

Os arcos que se tornaram símbolo das Olimpíadas não foram escolhidos por acaso. Apesar de pouca gente saber disso, as cores utilizadas na logo não foram selecionadas sem razão, com todas elas, quando juntas, contendo um significado especial por trás de tudo isso.

Foto: (reprodução/internet)

As cores foram escolhidas a dedo, para que abarcasse todas as nações do mundo. A bandeira de todas as países do mundo contam com ao menos uma das cores presentes no símbolo, fazendo com que todas as regiões do globo se sintam abraçadas com a realização do evento.

Essa questão é respeitada até mesmo pelas nações mais “reservadas” do mundo. A Coreia do Norte, por exemplo, participou das Olimpíadas diversas vezes, apesar de não manter qualquer tipo de relação com diferentes países ao redor do mundo. No entanto, nem sempre isso acontece, já que, recentemente, eles confirmaram que, em Tóquio, não irão participar.

O evento era uma reunião de peladões

Diferente do que acontece hoje, o evento, antigamente, não era razão para que patrocinadores entrassem em ação em busca de um espaço para mostrar sua marca para o mundo. Até porque os atletas pouco se importavam para isso, e, se fizessem isso, seria de uma maneira bem diferente.

Foto: (reprodução/internet)

Durante os jogos antigos, os atletas gregos competiam de uma maneira bem peculiar: completamente nus. Nenhum deles usava qualquer tipo de vestimenta, para que não acontecesse nenhum tipo de vantagem ou qualquer interferência no resultado.

Porém, esse tipo de abordagem também contava com alguns riscos. Assim como não usavam vestimentas, eles também não usavam qualquer proteção, o que colocava suas vidas em riscos na participação de alguns jogos. Apesar do sucesso dos Jogos Olímpicos para peladões, essa abordagem foi abandonada.

As medalhas de ouro não são de ouro

“Medalha de ouro” é um termo bem sugestivo para se referir a um objeto, deixando bem claro do que ele é feito. Porém, isso não se aplica de verdade ao caso das medalhas de ouro, porque, para a surpresa de muita gente, elas não são feitas de ouro na realidade.

Foto: (reprodução/internet)

Antes isso podia até ser verdade, porém, deixou de ser há mais de 100 anos. Desde 1912 as medalhas de ouro são feitas de prata, sendo apenas revestidas pelo ouro. Se você estiver pensando em vender alguma delas, saiba que elas têm praticamente o mesmo valor.

Para se ter uma ideia do quanto de ouro cada uma delas têm, nos Jogos Olímpicos realizados em 2018, cada medalha de ouro pesava cerca de 586 gramas. Dessas gramas, apenas 6 delas eram de ouro, com o restante todo ficando a cargo da prata. Uma enganação gigantesca com seus telespectadores.

É possível competir por mais de um país

Poucos atletas já fizeram isso, e menos ainda conseguiram destaque ao fazerem essa troca, porém, dois sujeitos conseguiram. Daniel Carroll e Kakhi Kakhishvili disputaram as Olimpíadas por duas nações diferentes, e chegaram a ganhar ouro em todos os casos.

Foto: (reprodução/internet)

O primeiro participou dos Jogos Olímpicos de 1908, ganhando o ouro pela Austrália enquanto jogava Rugby. Em 1920, 12 anos depois, voltou a disputar o mesmo esporte, no entanto, pelos Estados Unidos, país onde viveu longos anos, e que chegou até mesmo a defender durante a Primeira Guerra. Ganhou o ouro de novo.

Já o caso de Kakhi é um pouco diferente. Era atleta de levantamento de peso, e disputou, em 1992, sua primeira Olimpíada, defendendo a Equipe Unificada, um grupo de países que faziam parte da antiga URSS. Nas outras duas próximas edições, participou do evento como atleta da Grécia, onde sua mãe nasceu. Levou o ouro em todas as ocasiões.

O evento foi cancelado durante as grandes guerras

Infelizmente, a realização das Olimpíadas já ficou em segundo plano durante alguns períodos da humanidade. Alguns dos mais recentes aconteceram por conta das grandes guerras mundiais, o que fez com que a tensão entre os países envolvidos impedisse que as modalidades olímpicas acontecessem normalmente.

Foto: (reprodução/internet)

O evento de 1916, que aconteceria em Berlim, foi cancelado por conta da Primeira Guerra Mundial. A Alemanha, que estava diretamente envolvida no confronto, não pôde realizar a competição, afinal, o país estava passando por um momento delicado, e o clima não era dos mais amigáveis com outras nações.

Além disso, o mesmo aconteceu em 1940 e 1944, pois, devido à Segunda Guerra Mundial, os Jogos não puderam ser realizados. O segundo confronto foi ainda maior do que o primeiro, o que tornou ainda mais difícil uma conciliação. O evento só voltou a ser realizado no ano de 1948, em Londres.

Mulheres não tinham permissão para competir

Infelizmente, nem sempre o mundo foi tão receptivo como é hoje. Não que sejamos um exemplo de aceitação atualmente, porém, antes, as mulheres nem mesmo podiam competir normalmente durante a realização dos Jogos Olímpicos.

Foto: (reprodução/internet)

As modalidades esportivas para mulheres só foram implementadas em 1900, não podendo fazer uma única aparição antes disso. Esse erro foi tão grande, que hoje vemos que diversos esportes contam com mais destaque feminino do que o masculino.

Além disso, é possível notar que as mulheres desenvolveram habilidades que, para a sociedade antiga, não eram capazes. Hoje elas jogam futebol, vôlei e qualquer outro esporte em alto nível, mostrando que elas, assim como os homens, podem trazer muito orgulho para suas nações.

Olimpíadas é oportunidade de unir mais o mundo

Apesar de muitas pessoas enxergarem apenas como um evento esportivo, as Olimpíadas também é uma oportunidade de unir mais o mundo, já que praticamente todos os países do globo participam em alguma modalidade esportiva. Dessa forma, conflitos podem acabar e o espírito esportivo pode acabar baixando os ânimos dos envolvidos.

O esporte já salvou muitas vidas e foi a porta de entrada de diversas crianças para uma vida melhor, e dar o exemplo para o mundo, de que diferenças podem ser deixadas de lado enquanto se compete contra um adversário, pode ser o empurrão necessário para que uma criança comece a praticar um esporte a sério.