Início Curiosidades

Derretimento de gelo no Himalaia expõe lago cheio de esqueleto

Nas profundezas das montanhas cobertas de neve do Himalaia, os restos esqueléticos de centenas de pessoas povoam um pequeno lago em Roopkund, na Índia, a vários quilômetros da civilização.

Os cientistas levaram décadas para descobrir como eles morreram e por que seus corpos foram depositados lá há tantos anos atrás. Suas descobertas não foram o que eles esperavam.

Durante a Segunda Guerra Mundial, um guarda florestal de reserva de caça Nanda Devi chamado Hari Kishan Madhwal entrou em um pequeno vale e se deparou com o lago glacial, que fica a mais de 16.000 pés acima do nível do mar (cerca da metade do monte Everest).

O guarda ficou surpreso ao encontrar vários esqueletos no fundo do lago. Ele conseguiu vê-los porque o lago é muito raso a cerca de dois metros de profundidade.

O corpo d’água de grande altitude é coberto de gelo 11 meses ao ano. Quando o gelo derrete, restos adicionais surgem na água e na costa, totalizando cerca de 200 esqueletos.

Inicialmente, os britânicos acreditavam que os restos eram da invasão de soldados japoneses que morreram de exposição. Outros achavam que os esqueletos pertenciam ao general Zorawar Singh, da Caxemira e seus soldados, que desapareceram no Himalaia após a batalha do Tibete em 1841.

O governo britânico examinou os esqueletos e determinou que eles eram velhos demais para serem soldados japoneses, embora parte da carne, cabelos, unhas e ossos fossem bem preservados pelo ar seco e frio do Himalaia.

Após uma inspeção mais aprofundada, os cientistas encontraram vários artefatos perto dos corpos, incluindo pontas de lança, chinelos de couro e anéis, desmentindo a teoria de que os esqueletos eram restos de soldados da segunda guerra mundial.

Ao longo dos anos, o destino dos mortos se tornou menos prioritário. Os especialistas não conseguiram identificar exatamente de onde os corpos vieram e o que causou suas mortes.

Eles especularam que uma avalanche, doença, fome, suicídio ritual ou mesmo um ataque inimigo podem ter sido a razão pela qual tantas pessoas morreram em um só lugar. Uma teoria sugeria que as pessoas foram mortas em outros lugares e seus esqueletos foram deslocados devido a mudanças glaciais.

Em 2004, uma equipe de pesquisadores da National Geographic, da Unidade Aceleradora de Radiocarbono da Universidade de Oxford e do Centro de Biologia Celular e Molecular em Hyderabad, na Índia, conseguiram datar os corpos por volta de 850 dC, período em que o país se vangloriava do maior economia do mundo.

Os cientistas determinaram que os esqueletos pertenciam a dois grupos separados de pessoas no século IX. Um era um clã ou família composto por indivíduos relacionados, enquanto o outro era um grupo menor e menor de estatura. Mais tarde, foi determinado que 70% do grupo veio do Irã, enquanto o grupo local menor provavelmente foi contratado para orientar a primeira parte e levar seus pertences em peregrinação pela área.

Especialistas determinaram que cada pessoa foi atingida por um golpe fatal na cabeça, que deixou pequenas e profundas rachaduras no crânio. Também houve greves no pescoço e nos ombros. A maneira dos ferimentos sugeria que algo em volta causava sua morte. Como outras partes dos corpos não sofreram danos, os investigadores concluíram que os golpes vieram de cima.

Diz a lenda local que o rei de Kanauj e sua esposa grávida estavam viajando com uma comitiva para o santuário de Nanda Devi para uma cerimônia especial quando foram pegos em uma terrível tempestade de granizo. Eles não tinham onde procurar abrigo e morreram perto de Roopkund. Uma canção folclórica tradicional descreve um cenário semelhante, no qual uma deusa ficou tão brava com pessoas de fora que entraram em seu santuário interno que ela se vingou lançando grandes pedras de granizo sobre elas.

Embora não esteja claro se o folclore foi baseado em eventos reais, os cientistas agora acreditam que uma tempestade de granizo com pedras de aproximadamente nove polegadas de circunferência (tamanho semelhante a uma bola de críquete) foi responsável pelas mortes em Skeleton Lake há mais de 1.200 anos. Sem ter para se esconder, as pessoas morreram de trauma contuso.

Não é a única vez que tempestades de granizo causam estragos nos seres humanos. Em 30 de abril de 1888, até 246 pessoas foram mortas com pedras do granizo do tamanho de “ovos de ganso e laranjas” em Moradabad, na Índia. Em 1932, houve relatos de 200 pessoas morrendo e milhares de outras feridas por uma tempestade de granizo em Nanking, China.

Enquanto isso, o Skeleton Lake transformou Roopkund em um destino turístico, atraindo centenas de visitantes, trekkers e peregrinos a cada ano que fazem a subida íngreme de cinco dias para alcançar o corpo de água. Houve alguns esforços para conservar a área e transformá-la em um destino de ecoturismo que protege os esqueletos de viajantes que procuram lembranças que às vezes roubam ossos como lembranças.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys