Contos Minilua: Trevas #190

E sim, para participar, é muito fácil. Para tal, envie o seu texto para: equipe@minilua.com! A todos, é claro, um excelente fim de semana!




Trevas

Por: Forasteira

Estive por tanto tempo na escuridão, no vácuo, que me esqueci como é a luz e o som. Por tanto tempo privada de rostos, vozes, sombras e formatos… Tanto tempo privada de tudo que tenho direito.

Protestei. Em vão. Lutei. Em vão. Me machuquei. Em vão. Morri. Em vão. Indo por caminhos que nunca esperei nem imaginei ir. Esperando ajuda ou conselhos. Nunca tive um ombro amigo, um pai ou mãe com quem pudesse contar. Todas essas pessoas sujas que me destruíram aos poucos. O ódio que carrego dentro de mim é lastimável.

Lastimável. Onde irei? Por onde andarei? Não sei. Ainda estou presa. E nunca vou ser libertada. Nem a morte, esta que vocês tanto temem, me libertará. Simplesmente porque a morte é uma extensão da vida. Não há como fugir, se esquivar ou escapar do que é inevitável, mas faz parte do comportamento inútil e irracional do ser humano.

Ganhando tempo até que seu tempo acabe. Ganhando espaço até que você o ocupe todo. Ganhando vida até que você morra. Matando e pisoteando o próximo até que você perceba que não há nada pior do que o sangue do mesmo manchando a tua alma. Mas quando perceber será tarde demais.

Oráculo, guia, ajudante, pode consultar o seu. Não importa. Não existe destino, fim, começo, sorte, nem ao menos perdão. Quando tudo começou? A resposta é simples: não houve começo. Como eu já disse, a morte é só uma extensão da vida. E nunca saberemos onde termina.
Sempre caminhando em busca de mudança, de compaixão, de dias melhores. Você não entende? Não haverão dias melhores. Não haverá compaixão, nem a mudança daqueles que “deveriam mudar”. Fodam-se todos. Foda-se tudo.

Entendeu agora, pequena formiga? Entendeu agora o porquê de toda essa merda? Te colocaram nessa jaula redonda flutuante no meio do nada. Você não tem para onde fugir. E os que tentam não são bem sucedidos. Por que você acha que viajar para o Espaço é tão perigoso?

Fugir não é uma opção. Viver sim. Nos colocaram nessa prisão para nos matarmos, com sede de poder, sangue e carne. Somos máquinas mortíferas prontas para atacar, é só apertar um botão e a grande merda está feita. É como um ringue. É como uma carnificina. Todos os dias. Todos os anos. Durante a eternidade. Até que Ele se canse.

Indo e vindo. Caminhando com prosperidade e esperança. Pelo menos é o que você acha. Ou que você achava. Não quero chegar a lugar algum, pois esse é o mesmo onde nos encontramos.
No final tudo não passa de uma brincadeira arquitetada por Ele com todos os detalhes, para que você sirva de bobo da corte, que sirva de entretenimento. Dizem que não somos propriedade de ninguém, quando, na verdade, somos propriedade d’Ele.

Ainda dizem que somos controlados e que todas as nossas ações não são decididas por nós mesmos. MENTIRA! Ele pode ter nos posto aqui para fazê-lo feliz de alguma forma, mas não é culpa d’Ele se você matou alguém, se está doente ou morrendo.

Indague-se de o porquê estar aqui. Indague-se de o porquê sofrer tanto. A resposta nunca será encontrada e as lágrimas que você desperdiça poderão te salvar no futuro. Não chore. É inútil. Todos estamos condenados à mesma coisa. Desgraça. Surgirá das Trevas. Elas estão dentro de você. Boa sorte.

Receba mais em seu e-mail
Topo