Minilua

Consumidor em “dia de fúria” quebra produtos em loja

Sabe aqueles momentos em que somos tão mal atendidos em uma loja que dá vontade de quebrar tudo? Pois bem, foi isso que o consumidor paulista, Rodrigo, fez em uma loja de material de construção. Claro, ele não quebrou a loja toda, mas descontou toda a sua raiva e indignação.

O vídeo do “dia de fúria” foi publicado no último sábado, mas antes de entrar na loja e descontar toda a sua raiva ele fez questão de explicar a situação do problema. Segundo ele, antes de decidir tomar essa atitude, ele esteve na loja 4 vezes a fim de resolver o seu problema de entrega não realizada das mercadorias, mas não obteve êxito.

Rodrigo deixa claro na descrição do vídeo que não é adepto a violência, mas se paga por algo tem que receber o produto: “Não sou adepto à violência, não acho que as coisas se resolvem desta forma, mas se #COMPRO e #PAGO algo e a empresa não entrega, peço a devolução do dinheiro e a empresa não devolve de imediato, pede prazo de 15 a 45 dias #ÚTEIS, isso para mim é flagrante desrespeito ao Código de Defesa do Consumidor, artigo 35, inciso III e mais: para mim, é apropriação indevida, pra não dizer #ROUBO.”.

Veja abaixo esse vídeo que está dando o que falar na internet:

Já a loja, divulgou o seguinte comunicado:
“Em resposta ao vídeo publicado pelo Sr. Rodrigo Ciríaco, a Dicico informa que não há produto em pendência de entrega com o consumidor. Na verdade, o que havia era um acordo de ressarcimento do valor de R$ 600,00, com o qual a Dicico já tinha se comprometido. No transcorrer do período para o reembolso, a empresa foi surpreendida pela atitude demonstrada no vídeo: o consumidor quebrando produtos com uma marreta na loja. Felizmente, ninguém saiu ferido. A Dicico lamenta profundamente a atitude do consumidor e esclarece que já tomou todas as ações cabíveis junto ao seu departamento jurídico e vai se reservar ao direito de responder em juízo. A Dicico enfatiza seu respeito pelos consumidores e o compromisso com o melhor atendimento e satisfação de todos os seus clientes, princípio que rege as ações da companhia ao longo de 95 anos de história e está no dia a dia de suas 58 lojas.”

E aí, o cliente tem sempre a razão?