Conheça uma larva australiana de brilho impressionante

ANÚNCIO

O verme de brilho, uma das criaturas bioluminescentes mais deslumbrantes da Austrália, é na verdade as larvas de um mosquito fungo.

O inseto, que parece uma larva, é um carnívoro.

ANÚNCIO

Eles também são muito pequenos – com apenas alguns milímetros de comprimento – e prosperam em cavernas escuras e úmidas e saliências rochosas na floresta tropical.

Os povos antigos eram fascinados por vermes brilhantes e acreditavam que possuíam poderes mágicos.

Os médicos até tentaram aproveitar o poder dos insetos e usá-lo para tratar as doenças das pessoas.

ANÚNCIO

Os erros misteriosos também foram descritos como criaturas sobrenaturais na poesia e nos contos de fadas.

glow worms

Há uma explicação científica para o brilho deles: é uma reação química.

A luz azul esverdeada que as larvas emitem é causada pelas enzimas e pigmentos em seus corpos, misturados ao oxigênio no ar.

O brilho é visível através de seus abdomens transparentes e extremidades traseiras.

Semelhante às aranhas, as larvas tecem teias dos tetos da caverna, pontilhadas com gotas de muco.

A bioluminescência é usada como isca para atrair presas, como mosquitos e mosquitos (e ocasionalmente baratas), em suas teias pegajosas.

O brilho cria um efeito incrível à noite, com manchas de luz azul esverdeada cobrindo o teto, os túneis e as passagens de uma caverna.

Alguns compararam a cena com a Via Láctea.

A substância bioluminescente é tóxica para outros insetos e animais, como pássaros, aranhas e centopéias, e serve como um aviso para ficar longe.

Os insetos passam cerca de nove meses como larvas e precisam absorver o máximo de comida possível antes de se metamorfosearem.

Os mosquitos adultos do fungo lembram mosquitos e não têm bocas.

Eles vivem apenas alguns dias, perecendo logo após o acasalamento e a postura dos ovos.

Atualmente, três espécies de vermes incandescentes são descritas no continente:

1. Arachnocampa flava, encontrada em Queensland.

2. A. richardsae, encontrada em Nova Gales do Sul.

3. A. tasmaniensis, encontrada na Tasmânia.

Mas poderia haver uma dúzia de espécies diferentes na Austrália.

glow worms

Os turistas são fascinados pelos insetos primitivos, que exigem condições específicas, além da alta umidade, para sobreviver.

Os visitantes são aconselhados a evitar tocar ou brilhar nas luzes vivas.

Fotografia em flash, fumo e barulhos altos também são proibidos.

Há um punhado de colônias de minhocas espalhadas pela Austrália.

Os mosquitos do fungo das larvas são mais visíveis nos meses mais quentes e úmidos, de dezembro a março.

Uma das maiores colônias está localizada no Parque Nacional Springbrook, na Gold Coast, em Queensland.

Durante o verão, os visitantes podem ver milhares de larvas iluminando um túnel abandonado de 400 metros entrincheirado na floresta tropical.

O túnel serviu inicialmente como parte de uma ferrovia antes de ser abandonado na década de 1940.

Os vermes luminosos são atraídos para seu ambiente úmido e, como o túnel escuro como breu é longo, os visitantes podem experimentar a bioluminescência durante o dia se caminharem o suficiente para dentro dele.

Os vermes de brilho são responsáveis ​​por mais de US $ 6 milhões em receita de turismo para a Austrália a cada ano.

O único outro lugar onde existem vermes de brilho é na Nova Zelândia.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO