Início Filmes

Conheça 10 jogos de videogame com histórias mais bizarras

Com certeza, esses jogos de videogame vão deixar você com cara de tacho. Sabe por que? As histórias são bizarras e, em algum momento, não fazem sentido algum. Pelo menos, você vai se divertir ao pensar que criadores foram capazes de pensar em algo tão inusitado.

Mas, brincadeiras à parte, considere que alguns dos títulos são bacanas, mas não do ponto de vista da história e sim da jogabilidade. Continue lendo para entender um pouco mais sobre eles. Inclusive, aqui está uma boa dica para você não perder tempo com esses jogos, viu. 

Foto: (reprodução/internet)

10 – Deadly Premonition

O Deadly Premonition foi lançado no ano de 2010 para dois consoles: Xbox 360 e PlayStation 3. Assim, ele traz vários elementos bacanas, como de sobrevivência do personagem e de investigação. Tudo aconteceu com o pano de fundo sendo uma história de suspense e terror. 

Foto: (reprodução/internet)

Logo, os jogadores começaram a ver uma semelhança com a série de TV chamada Twin Peaks. Com foco no game, saiba que a história se baseia em Francis York Morgan, que é uma gente do FBI com esquizofrenia e que tem um amigo imaginário. Há várias realidades paralelas. 

No entanto, é uma história bem difícil de ser acompanhada, mas que tem a vantagem de ter ciclos reais de 24 horas em um mundo aberto em escala. Porém, o fracasso veio e hoje é considerado o jogo de sobrevivência mais polêmico na visão da crítica dos games. 

9 – Pathologic

Agora, a gente tem um jogo que tem origem russa, o que acaba sendo uma novidade por si só. O Pathologic foi pensado para PCs e surgiu em 2005. A ideia era criar um jogo que fosse mais artístico. Ele fala sobre uma doença misteriosa que atinge moradores de uma vila. 

Foto: (reprodução/internet)

Assim, o player pode escolher entre 3 personagens diferentes e ele precisa sobreviver. Mais do que isso, a ideia é descobrir a origem da doença. Então, na teoria, a gente pode ver que é um RGP comum, certo? 

Mas nem tanto. Isso porque a história tem vários pontos de vistas. Isso varia conforme a escolha dos personagens. Como conclusão, temos sim um jogo bizarro, mas que vale bastante a pena devido ao enredo e experiência única. 

8 – Muscle March

O jogo está disponível no Wii Ware e você não vai acreditar nessa história. Imagine só um grupo de fisiculturistas e um urso polar que está malhando e de repente um ladrão rouba os suplementos deles. E agora?

Sim, a ideia é passar por buracos nas paredes, de forma grotesca e bizarra, para encontrar o bandido. Acaba sendo um jogo que é para divertir, só que dependendo do seu humor, isso também não será possível. 

O jogo é da Namco e foi lançado no Japão, na América do Norte e depois na Europa. Porém sem sucesso em qualquer região do mundo. A gente separou um vídeo dele para você assistir a cima e entender sobre o que estamos falando. Veja.

7 – The Void

Esse game é dos mesmos criadores do Pathalogic, a Ice-Pick Lodge. Ele surgiu 4 anos depois, em 2009 e também tem o seu foco em gamers de PC. Assim, o jogador é uma alma perdida que fica no vácuo entre a vida e a morte. É um mundo monocromático. 

Foto: (reprodução/internet)

Sendo que a cor é um tipo de moeda e que mede a energia do jogador. Logo, dá para gastar a energia ao ceder a outros personagens. Porém isso pode levar você a morte. Mas, ao não abrir mão da cor, você também acaba não progredindo. O que torna o game até interessante.

As sisters são personagens que pedem cores em troca de ajuda. Assim, elas podem irritar os Brothers também. No fim, a narrativa não tem um momento de lado bom ou lado ruim, sendo que o jogo leva a interpretação única de cada jogador. 

6 – Dear Esther

Agora, nós temos aqui um jogo em primeira pessoa que leva em conta a exploração de uma ilha abandonada. Logo, esse simples fato pode gerar vários resultados, dependendo dos jogadores. Você pode controlar o homem que lembra da esposa, Esther, morta em acidente.

Foto: (reprodução/internet)

Os tons são sombrios, a trilha é melancólica e a narrativa é triste. Portanto, é um game que pode trazer muitos sentimentos negativos para alguns jogadores, mas que toca o coração de tantos outros. E sobre a ilha, você pode explorar ela de diversos modos.

De modo que a cada nova jogada, você encontra traços novos que permite uma nova compreensão do que aconteceu com a Esther. O jogo é denso e completo, sendo que também está disponível atualmente para PCs, PS4, Xbox One, além dos smartphones. 

5 – The Path

Pense em um jogo indie que vem lá de 2008. A produção é artística e vem da Tale of Tales. A história é sobre seis garotas que se perdem em uma floresta e acabam sendo atacadas por lobos. Porém, não é um game de grande sucesso do ponto de vista comercial. 

Foto: (reprodução/internet)

Sendo assim, ele acabou gerando polêmica porque gera várias interpretações durante a narrativa, sendo que ela é toda contada de forma abstrata. Para alguns críticos, o grande diferencial é que traz uma metáfora sobre o crescimento de cada jogador no game. 

Mas, para uma boa maioria trata-se de uma história sobre meninas que caem em golpes sexuais, sendo que essa conotação é que pode ter trazido uma grande deturpação para o game. Isso é reforçado pelas imagens de violência que são narradas. 

4 – The Typing of the Dead

É um jogo de zumbi em saga. Foi lançado para PCs e no Dreamcast em 2000. Ou seja, teria tudo para ter dado certo, não é? O problema é que apenas ter uma horda de zumbis não resolve. Sendo assim, mesmo com o relançamento em 2013, o sucesso não aconteceu.

Foto: (reprodução/internet)

Isso porque ao invés de usar armas, os jogadores precisam combater os mortos-vivos usando o teclado e digitando palavras e frases. Meio complicado? Some isso a uma cidade como Veneza, que está totalmente infectada por esses seres. 

O jogo é uma modificação do The House of the Dead 2, de 1998. Porém, é fraco em termos de história. O player pode terminar de 3 formas diferentes, que são ativadas com base nas opções de diálogos que aparecem no último chefão. 

3 – Catherine

Agora temos um game conhecido, chamado de Catherine. Ele foi lançado em 2011 para o PS3 e o Xbox 360. A história é sobre um sujeito que é invadido por sonhos e pesadelos. Isso vem da necessidade de confrontar o momento de amadurecimento na vida e com os sentimentos. 

Foto: (reprodução/internet)

A partir disso, surge um verdadeiro quebra-cabeça com desafios que acontecem com base nos sonhos do personagem principal. É uma abordagem bacana, com temas maduros. Além disso, traz uma visão erótica e uma história sobrenatural. 

A criação fica por conta da Atlus. Sendo assim, apesar desse enredo engraçado, considere ser um jogo que vale a pena, tanto que é, por isso mesmo, criou uma geração de fãs em todo o mundo. Mais tarde, ganhou um relançamento para PS4, PC, OS Vita e Nintendo Switch. 

2 – Fahrenheit

Temos aqui um jogo com história estranha, mas que veio de uma produtora famosa, a Quantic Dream. Logo, ele foi lançado em 2005 para PS2, Xbox e PC. A narrativa é de imersão e ele tem um jeito de filme interativo. É sobre um assassinato que mostra o ponto de vistas de vários personagens. No desfecho, ainda dá para considerar os zumbis, relatos sobrenaturais e alienígenas.

Foto: (reprodução/internet)

Talvez, esses temas é que tenham feito a história se perder, ainda que contenham origens dos jogos de mais sucesso da Quantic. No fim, é um título bem mais fraco do que os outros. A história é confusa. Ainda assim, como recepção dá para considerar boas notas dadas pelo público. Ou seja, é o tipo de jogo que só jogando para saber se vai gostar. 

1 – Dino Crisis 3

Esse jogo tem uma história engraçada. O motivo é que ele teve duas versões iniciais que deram muito certo. O lançamento foi para Play Station. Porém, o 3º capítulo acabou sendo exclusivo para Xbox, o que chocou muitos fãs.

Foto: (reprodução/internet)

Só que a verdade é que o game decepcionou depois, ao passo que nem fez falta para a maioria dos fãs. Isso porque o enredo é fraco, com o Patrick Tyler sendo enviado ao espaço para investir uma nave abandonada. E, de repente, ele se depara com dinossauros mutantes. 

A história do Mortal Kombat

Apesar de hoje em dia ser um dos games mais famosos do mundo, considere que quando foi lançado, o Mortal Kombat, que hoje está disponível para quase todos os consoles e PCs, não foi tão bem visto assim. O motivo? A história bizarra.

Ou vai dizer que você acha normal uma série de lutadores retirando órgãos dos adversário, em campos de batalhas com cenários de vários países? O primeiro jogo foi criado em 1992 pela Midway Games. A segunda versão, chamada de Special Forces, era disponível só no Play Station.