Minilua

Como você pode ser manipulado e nem notar

Todo mundo se acha dono de si e capaz de tomar sempre a melhor decisão, como se nada pudesse afetar os próprios pensamentos. Essa sensação de poder sobre si é algo comum a todos, porém nosso cérebro é extremamente falho e pode ser manipulado de diversas maneiras:

Frio ou quente

Imagine se você fosse chamado para ser jurado em um caso de assassinato. No primeiro momento, todo mundo pensa em dar o melhor de si e tentar fazer a escolha certa para a justiça, porém existem coisas que podem modificar nosso julgamento, por mais sincero do que ele seja, sem notarmos.

Um estudo, apresentado na famosa publicação Science, revelou que nós somos afetados pela temperatura da sala em que estamos e que isso muda nossa maneira de pensar sobre a pessoa que estamos julgando. O estudo fez com que alguns voluntários ficassem em uma sala fria, enquanto analisavam os bandidos, e outros fizeram a mesma coisa, só que em uma sala mais quente.

Ao final, foi revelado que as pessoas na sala fria tendiam a tratar os bandidos como mais perigosos e acreditavam que eles teriam agido a sangue frio, ou seja, teriam premeditado os crimes. Já quem ficou na sala quente, apostou que os bandidos eram menos perigosos e teriam agido no “calor do momento”. Por isso, a temperatura da sala onde está acontecendo um julgamento pode interferir diretamente no resultado do mesmo e manipular você a pensar de maneira diferente.

Criatividade

Diversos estudos já revelaram que nosso cérebro é uma máquina que pode ser melhorada com estímulos externos. Tanto que pequenas descargas elétricas em partes específicas podem resultar em uma melhora de determinado aspecto. Por isso, Juliet Zhu, pesquisadora da University of Carolina, resolveu estimular o cérebro de alguns voluntários para que eles se tornassem mais criativos.

Para medir os resultados, os cientistas usaram o teste chamado Torrance Test of Creative Thinking, que usa diversos parâmetros, tais como: fluência, flexibilidade, originalidade e elaboração. A soma dessas partes gera o resultado do nível de criatividade da pessoa em determinada situação. Sendo assim, os voluntários fizeram o teste sobre o efeito dos impulsos elétricos no cérebro e o resultado foi bom.

Porém, o resultado realmente incrível desse teste foi o que ocorreu com os voluntários que fizeram o teste sobre o falso efeito dos impulsos elétricos. Ou seja, alguns participantes foram informados que receberiam os impulsos para melhorar a criatividade, contudo era mentira. Eles fizeram o teste sem nenhum auxílio, como em um dia normal e o resultado desse grupo foi 7,4% maior do que os “turbinados”.

Isso revelou que o cérebro pode ser manipulado para pensar em ser mais criativo, sem ter que recorrer a estímulos externos, bastando uma boa dose de confiança. Por outro lado, esse teste revelou o quanto somos facilmente influenciados e mudamos até nossa maneira de pensar apenas pela sugestão externa.