Como um homem sobreviveu a 20 mordidas venenosas de cobras

ANÚNCIO

Ao longo de sua carreira no manuseio de cobras, Bill Haast recebeu centenas de picadas de cobra – 20 desses encontros quase o mataram. Para um homem normal, essas experiências quase fatais podem ter significado morte inevitável. Mas Haast sobreviveu a cada presa injetando-se venenosamente por mais de 60 anos, a fim de aumentar sua imunidade.

Haast nasceu em 1910 e se interessou por cobras desde tenra idade. Depois de se casar e criar uma família, ele abriu o Miami Serpentarium, que produz veneno de cobra para fins médicos e de pesquisa. Entre 1947 e 1984, ele administrou a instalação como uma atração turística e extraiu veneno de répteis, incluindo as cobras-rei, na frente de multidões de pessoas até 100 vezes por dia. Haast pegava as cobras embaixo da cabeça e drenava o veneno dos dentes em tubos de ensaio.

ANÚNCIO

snake venom milking

O manipulador de cobras estimou que ele tratou mais de 3 milhões de cobras venenosas ao longo de sua vida, de acordo com seu obituário. Haast fez tudo o que pôde para evitar ser mordido, mas o grande número de cobras que ele segurou inevitavelmente levou a uma mordida de vez em quando. Em 2008, ele havia sido mordido pelo menos 172 vezes.

Durante um desses encontros, sua esposa foi forçada a cortar a ponta do dedo com tesouras de jardinagem, depois que uma boca de algodão ficou um pouco agitada.

ANÚNCIO

Em 1948, Haast começou a injetar veneno de cobra altamente diluído em seu corpo a cada semana, eventualmente adicionando mais de 30 tipos diferentes de veneno à mistura, a fim de se tornar imune ao veneno. Ele até doou seu sangue para ajudar outras vítimas de mordidas de cobra – 21 para ser exato. Depois de ajudar um garoto na Venezuela, o país fez dele um cidadão honorário por fazer uma caminhada na selva para dar à criança uma pitada de sangue.

Haast, no entanto, não estava imune a todas as picadas de cobra. Em 1989, a Associated Press informou que a Casa Branca usou seus contatos no Irã para localizar um raro antiveneno para tratar Haast depois que ele foi mordido por uma víbora paquistanesa.

O manipulador de cobras mais famoso do mundo faleceu em 2011 aos 100 anos de idade por causas naturais.

 

A HISTÓRIA DO ANTIVENOM

 

Um dos protegidos de Louis Pasteur, Albert Calmette, criou o primeiro antiveneno em 1896. Ele injetou cavalos com veneno e depois coletou os anticorpos para desenvolver o antiveneno.

Estima-se que 7.000 a 8.000 pessoas são picadas por cobras venenosas nos Estados Unidos a cada ano, mas menos de um por cento morre, se receberem tratamento adequado. Os culpados comuns são o diamante oriental – comum no sudeste – e cascavéis ocidentais – comuns no sudoeste.

Como um homem sobreviveu a 20 mordidas venenosas de cobras

Mas, mesmo especialistas em cobras foram vítimas de picadas venenosas. O herpetologista americano Karl P. Schmidt morreu em 1957 depois de ter sido mordido por uma cobra juvenil que adquiriu no Lincoln Park Zoo de Chicago. O réptil, um estrondo, mordeu Schmidt no polegar enquanto o processava. Acreditando falsamente que era uma dose não fatal de veneno, Schmidt documentou seus sintomas, que incluíam náusea, febre, calafrios e sangramento do nariz e da boca. Ele morreu dentro de 24 horas de paralisia respiratória e hemorragia cerebral.

 

UM PREÇO VENENOSO A PAGAR

Nos últimos anos, as vítimas de picada de cobra foram cobradas centenas de milhares de dólares pelo antiveneno. Atualmente, o preço de atacado é de US $ 2.500 por frasco e os pacientes podem precisar de algumas vezes dezenas de garrafas para se recuperar.

Em 2016, Dominic Devine, 10 anos, foi picado por uma cobra venenosa em Lake Mathews, Califórnia. Seus pais receberam inicialmente US $ 1,18 milhão pelo tratamento, antes que o custo fosse reduzido para US $ 350.000 após a descoberta de um erro contábil.

Um ano antes, Todd Fassler foi mordido por uma cascavel enquanto tentava tirar uma selfie com ela na pista Barona Speedway, em Lakeside, Califórnia. Ele recebeu uma conta de US $ 153.000. Em 2012, um estudante de intercâmbio da UC San Diego da Noruega foi agredido por uma cascavel e golpeado com uma conta de hospital de US $ 143.989.

Uma razão pela qual o antiveneno é bastante caro é que apenas uma marca – CroFab – está atualmente disponível no mercado americano. O antiveneno é criado injetando ovelhas com veneno de cobra e coletando os anticorpos resultantes criados pelo sistema imunológico do animal. O processo de fabricação é apenas um décimo de um por cento do custo total, de acordo com o American Journal of Medicine. O preço inflacionado deve-se a ensaios clínicos, custos legais, honorários hospitalares e restrições regulatórias.

Como um homem sobreviveu a 20 mordidas venenosas de cobras

A boa notícia é que, alguns anos atrás, o FDA aprovou um novo antiveneno chamado Anavip para tratar picadas de cascavel. Está programado para ser lançado nos Estados Unidos em outubro de 2018 e espera-se que seja uma alternativa mais barata.

 

FAZENDO O HISTÓRICO NO ALÍVIO DA DOR

Haast teve a idéia de usar o veneno para tratar várias doenças, incluindo poliomielite, artrite e esclerose múltipla. Os cientistas desenvolveram dois analgésicos que contêm elementos de veneno de cobra – Cobroxina e Niloxina. Esses produtos homeopáticos são usados ​​para tratar uma variedade de problemas, incluindo angina, asma, dores de cabeça, dores nas costas e outras doenças. Esses medicamentos são para aqueles que buscam alternativas aos analgésicos baseados em opiáceos.

Existe também um medicamento chamado Viprinix, também conhecido por seu nome genérico ancrod, que é derivado do veneno de víbora e se destina a ser usado como anticoagulante. Os médicos descobriram as propriedades curativas do veneno depois de perceber que as vítimas das picadas de víbora da Malásia não coagularam “normalmente” por vários dias após um ataque.

Os pesquisadores estudaram seu efeito em vítimas de derrame, bem como em pacientes com trombose venosa profunda, hipertensão pulmonar e outras condições. Embora o Viprinix tenha sido submetido a vários ensaios clínicos, atualmente não está aprovado para uso médico em nenhum país.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO