Como um meteorito mudou a história do Cristianismo

Quando o cristianismo ainda era uma pequena religião pouco promissora, um homem foi capaz de transformá-la em uma grande crença em sua região. Sem ele, talvez o cristianismo nunca tivesse se espalhado pelo mundo. O nome desse homem é Paulo, um dos principais autores de diversas passagens do Novo Testamento. Porém, a devoção dele pode ter sido um efeito colateral de um fenômeno natural.




São Paulo

SauloI

Antes de se transformar em um homem crente em Deus, Paulo, também chamado de Saulo, era um perseguidor de cristãos. Ele trabalhava para o governo romano, que na época ainda pretendia exterminar a nova religião crescente. Mas durante uma de suas viagens, ele viu uma grande luz vinda do céu, que lhe derrubou do cavalo. Por três dias, o homem ficou cego, mas foi curado e batizado, para depois se tornar um dos mais fervorosos pregadores da palavra de Deus. Mas agora, evidências mostram que talvez esse evento sobrenatural, de intervenção divina, pode ter uma explicação bem mundana.




Meteoros

0,,43083395,00

O evento que causou a conversão de Saulo em Paulo é bem conhecido e sua descrição é clara e direta. Por isso, os detalhes mostram que uma explicação natural é bem simples de ser dada, quando se tem o conhecimento de alguns fenômenos. William Hartmann, fundador do Planetary Science Institute, explicou como os eventos miraculosos são facilmente explicados pela ciência moderna.




A luz

meteoro-tabatinga

O primeiro fato miraculoso foi o clarão vindo do céu, como uma bola de fogo. Esse fenômeno foi visto na Terra por milhões de pessoas em 2013, quando o meteoro Cheliabinsk caiu na Rússia.

A imagem gravada revelou um grande clarão vindo do céu, criando um belo espetáculo de luz. O mesmo deve ter acontecimento a Saulo, que ficou admirando o espetáculo com os olhos abertos, até que…




Cegueira

O APÓSTOLO PAULO

Na cena onde Paulo vê a bola de fogo vinda do céu, ela é descrita como sendo duas vezes mais brilhosa do que o Sol. Esse tipo de brilho forte é capaz de causar algo chamado fotoqueratite, que também é conhecido como cegueira da neve.

Quando estamos em locais onde há uma grande reflexão de luz solar, podemos ficar cegos por um certo tempo. Foi exatamente isso que ocorreu com um repórter da CNN, chamado Anderson Cooper. Em uma viagem de barco, ele ficou exposto por duas horas a luz do dia. Ao final da tarde, ele sentiu dores nos olhos e ficou completamente cego por 36 horas!

Esse acontecimento ocorre porque no mar existe uma grande quantidade de luz sendo refletida, fazendo com que as córneas sofram com uma incidência enorme de raios UV. Isso machuca alguns tecidos dos olhos e causa cegueira temporária.

Por isso, sempre é indicado usarmos óculos e proteções quando olhamos para algum eclipse, pois os raios vindos do Sol, mesmo que por um pequeno período de tempo, podem causar a tal cegueira da neve. É exatamente esse tipo de evento que pode ter atingido Paulo, que provavelmente ficou admirando a queda do meteoro de olhos abertos, acreditando estar na presença de um milagre.




Queda

saulo20vira20paulo20luz

Logo após a luz, o relato diz que Paulo caiu no chão, algo natural para quem presenciou a queda de um meteoro, pois a onda de choque da explosão é bem capaz de jogar uma pessoa longe. Como ocorreu com a floresta de Tunguska em 1908.




Vozes

Schizophrenics

Paulo também relata ter ouvido vozes, o que é mais do que natural. Além do enorme barulho no momento do choque, os ouvidos dele poderiam sofrer com diversas distorções causadas pelo grande estouro. Para um homem que acredita ter presenciado um milagre gigantesco, um simples barulho pode ser interpretado como vozes do além.




Escamas

130093-004-9B9100F0

A última parte do relato diz que Paulo, após ter recuperado a visão, teve escamas caindo de seus olhos. Você pode estar pensando que essa parte é muito difícil de explicar, mas existe algo chamado escamação epitelial, que é uma escamação na região dos olhos.

E então, seria esta hipótese possível? Deixe sua opinião nos comentários!

Reaja! Comente!
    Topo