Como a ciência está nos ajudando a entender os adolescentes

ANÚNCIO

ANÚNCIO

As escolas da Europa e dos EUA estão cada vez mais adaptando métodos de ensino para se adaptar ao cérebro dos adolescentes.

Quando as crianças entram na adolescência, elas se tornam mais ousadas, mais sombrias e correm mais riscos.

Como a ciência está nos ajudando a entender os adolescentes

Até recentemente, a culpa era dos hormônios; supunha-se que o cérebro estivesse totalmente desenvolvido por volta dos nove anos de idade.

Mas pesquisas científicas realizadas no Centro de Pesquisa sobre Cérebro e Desenvolvimento da Holanda e no Reino Unido da University College London revelaram que nossos cérebros não são totalmente desenvolvidos até os 25 anos de idade.

“O conceito atual de adolescência que carregamos em nossas cabeças hoje em dia é algo que foi formado em grande parte no final do século 19 e início do século 20”, de acordo com Paula Fass, professora de história da Universidade da Califórnia.

“Hoje, nossa visão da adolescência tem um tipo diferente de base científica, porque temos equipamentos e coisas à nossa disposição para analisar o desenvolvimento do cérebro que, na época, era preciso fazer uma hipótese”.

Desde os anos 90, os neurocientistas usam ressonâncias magnéticas para estudar como o cérebro adolescente se desenvolve. Eles descobriram que, a partir dos 10 anos, as sinapses costumam falhar, à medida que o cérebro e seus sistemas de comunicação interna continuam a se desenvolver.

A atividade neurológica de um adolescente executando uma tarefa é notavelmente diferente da de um adulto – os adolescentes usam regiões diferentes do cérebro para realizar tarefas que adultos e crianças.

No cérebro de um adolescente, o centro de recompensa se desenvolve antes de seu centro de controle, e isso pode levar a comportamentos imprevisíveis e oscilações emocionais características do comportamento do adolescente.

“Muitos de nós acreditam que esse desequilíbrio entre esse centro de recompensa social altamente excitado e emocional do cérebro e o sistema de autocontrole ainda amadurecido cria um tipo de vulnerabilidade durante a adolescência – e pode estar relacionado à propensão dos adolescentes a tomar muitos riscos “, de acordo com Lawrence Steinberg, professor de psicologia e autor de Age of Opportunity

À medida que a pesquisa ficou disponível ao público, o conceito de educação ‘amiga do cérebro’ foi desenvolvido: educação que considera como os cérebros dos adolescentes funcionam à medida que se desenvolvem.

Como a ciência está nos ajudando a entender os adolescentes

No ensino médio, por exemplo, esperamos que os adolescentes sejam bons em planejamento “porque têm idade suficiente”. Mas a parte do cérebro necessária para o planejamento ainda não foi desenvolvida.

A educação adaptada ao cérebro ajuda escolas, professores e pais a contornar essas limitações para reduzir a frustração em todas as partes, especialmente estudantes.

Wouter Camps, consultor educacional em Haia, ministra oficinas sobre educação adaptada ao cérebro e ajuda as escolas a desenvolver currículos adaptados ao cérebro dos adolescentes.

Ele diz que permitir que os alunos se comuniquem mais durante as aulas e usar conteúdo estimulante mais próximo da vida em que vivem ajuda os adolescentes a se conectarem com o material.

“Nos primeiros anos, o professor entrou na sala de aula e disse: ‘Bem-vindo a todos, pegue sua pasta de trabalho e vejamos a lição de casa’. Não há criança que pense: ‘bom, isso é ótimo e é isso que eu quero fazer!” ele disse à IDEAS.

Colocar mais confiança nos alunos e dar-lhes mais liberdade para fazer suas próprias escolhas, usar mais material audiovisual para estimular seus cérebros e permitir que os alunos trabalhem em grupos com mais frequência os ajuda a ser mais motivados e envolvidos, explicou Camps.

Ele diz que os professores estão interessados ​​em aprender mais.

“Eles dizem ‘me dê mais informações sobre o cérebro dos meus alunos. Quero mudar minha maneira de ensinar porque quero ter uma conexão com o meu grupo‘”.

Mas, acrescenta, os melhores resultados são quando os professores misturam os métodos tradicionais de ensino com os que são novos.

“Precisamos buscar o equilíbrio. Se você não possui princípios que respeitem o cérebro, a possibilidade de comportamento prejudicial é alta. Mesmo se você é um professor experiente, não pode dizer: ‘Sou professor, para que as crianças me escutem “, disse Camps.

“Você realmente tem que lidar com as necessidades deles e a necessidade deles é ter um relacionamento com você. A necessidade deles é se sentir competente e também ter alguma opção para que eles tenham alguma autonomia. Se você lidar com essas necessidades, então a chance de uma lição que funciona bem é muito, muito maior “.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: CBC