Minilua

As coleções mais loucas do mundo

Figurinhas, latinhas, selos, carros, enfim, existe um número enorme de pessoas no planeta que adoram colecionar as mais variadas coisas, porém alguns exageram no tema de suas coleções:

Comida queimada

Quando esquecemos alguma coisa no fogo, além de nossa mãe nos xingar, também acabamos jogando fora o que restou da comida, afinal ela fica em um estado intragável. Mas para algumas pessoas esse tipo de estrago é obra de arte.

“As pessoas pensam que comida queimada é uma coisa negativa. Mas é realmente importante, antes de tratá-la como falha, parar, dar uma olhada no que você fez e encontrar beleza nisso”, isso é o que fala Deborah Henson-Conant, criadora do Museu da Comida Queimada.

Esse local bizarro, que pode ser visitado em Arlington, no estado de Massachusetts, conta com um inventário de 49 mil itens queimados, desde simples bolinhos até as mais caras comidas que não deram certo.

Sujeira de umbigo

Graham Barker, um australiano muito louco, certo dia ficou curioso sobre o quanto de sujeira um umbigo poderia juntar durante o dia. Para sanar a sua curiosidade, ele começou a pegar esses resíduos diariamente e coloca-los em um jarro.

Em pouco tempo, ele tinha uma pequena coleção única no mundo. Hoje sua grande paixão por sujeira de umbigo já tem 26 anos e vários vidros.

Pênis

Sigurdur Hjartarson, um professor aposentado, possui uma das mais estranhas coleções do planeta. Ele junta pênis de várias espécies e os exibe para quem quiser ver.

Chamado de Icelandic Phallological Museum, o museu conta com mais de 280 exemplares, incluindo baleias, mamíferos e até mesmo um pênis humano.

Assento de privada

Barney Smith, um encanador aposentado, resolveu criar uma coleção para lá de diferente. Quando olhamos para a privada, vemos a tampa dela apenas como um empecilho (para os homens) ou como um conforto que ajuda a amenizar o contato entre a retaguarda e a cerâmica gelada, mas esse homem vê arte.

Durante anos, ele criou diversas obras de arte usando essas tampas como base e a coisa foi tanta que um museu do tema foi aberto por ele, contado com mais de 1000 quadros/assentos.

Hambúrguer

Certo dia Matt Malgram comprou dois hambúrgueres para comer, mas acabou guardando um deles. Um ano depois, ele notou que o pão parecia estar exatamente igual ao dia da compra. Sem pensar duas vezes, ele iniciou essa estranha coleção, que hoje em dia conta com exemplares com mais de duas décadas de existência.

Rabos de sereia

Apesar de nenhuma sereia ter sido encontrada até hoje, já temos uma pessoa que coleciona os rabos delas, mas claro, eles são de mentira. Eric Ducharme, desde os 16 anos de idade, possui uma paixão inexplicável por essas caudas.

A sua vontade de mexer com esse negócio é tanta que ele abriu uma fábrica para produzir esses produtos personalizados para o mundo todo.