Cingapura proíbe exames nas escolas para não causar ansiedade nas crianças

ANÚNCIO

ANÚNCIO

Você já pensou em como a escola seria ótima se não houvesse exames e, pelo menos para os alunos do ensino fundamental em Cingapura, o que parecia impossível se tornou realidade: os testes foram eliminados.

Alguém entendeu que você não pode pressionar as crianças para que aprendam, o melhor é que as elas escolham seu próprio caminho e os meios para alcançar um aprendizado útil para a vida adulta.

Cingapura proíbe exames nas escolas para não causar ansiedade nas crianças

Alguns indicadores indicam que Cingapura está prestes a se tornar um verdadeiro paraíso para se viver, porque foi declarada por várias organizações em todo o mundo como o país mais limpo do mundo, o mais seguro e o com o melhor nível educacional em todo o planeta.

Portanto, com esses níveis de bem-estar, você pode tentar algumas medidas diferentes na educação, saúde e bem-estar de seus futuros cidadãos, como não aplicar mais testes para que crianças e jovens não sofram pressão, ansiedade, medo e estresse que eles causam.

“Precisamos equilibrar a diversão do aprendizado e o rigor da educação”, disse Ong Ye, ministro da Educação, em sua participação no parlamento de seu país.

Cingapura proíbe exames nas escolas para não causar ansiedade nas crianças

Conseguir o primeiro lugar na educação no mundo teve um alto custo para os estudantes, pois o sistema é extremamente exigente e isso afeta sua saúde mental, elevando a taxa de suicídio para 10,03 por 100.000 habitantes.

Portanto, as autoridades decidiram relaxar um pouco e não sujeitar crianças e jovens a tanto estresse. A partir do próximo ano letivo, a medida entrará em vigor para os alunos do primeiro e do segundo ano do ensino fundamental, bem como para os do primeiro ano do ensino médio, e nos próximos anos será estendida a todas as outras séries.

Cingapura proíbe exames nas escolas para não causar ansiedade nas crianças

De acordo com medições feitas por organizações internacionais, em média um estudante em Cingapura passa um longo dia na escola e, posteriormente, uma média de 9,4 horas por semana em casa, dedicada ao estudo.

Além disso, as notas médias, as reprovadas, as médias finais e outros indicadores globais de desempenho desaparecerão. Como se isso não bastasse, não haverá mais pressão para aprender matemática e outras ciências exatas, mas será dada atenção especial ao desenvolvimento de atividades artísticas e recreativas.

Parece que em Cingapura eles estão desenvolvendo gerações mais felizes, em vez de adultos que se preocupam apenas com o sucesso. Esperemos que em breve repliquem esse modelo em todo o mundo.