Cicatrizes misteriosas em tubarão havaiano podem ser sinal de ataque de lula gigante

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Uma rara briga de várias espécies se desenrolou recentemente no fundo do oceano, na costa do Havaí. Em um canto, um tubarão oceânico (Carcharhinus longimanus) – um predador de 7 metros de comprimento (2,1 metros) capaz de mergulhar até 300 pés abaixo da superfície em busca de presas. No outro canto… não está claro. Mas o que quer que fosse, era enorme, tinha tentáculos e provocou uma luta infernal.

Cicatrizes misteriosas em tubarão havaiano podem ser sinal de ataque de lula gigante

O fotógrafo submarino Deron Verbeck captou as conseqüências desse pedaço misterioso quando tirou uma foto do tubarão ofensivo, marcado ao longo de todo o seu flanco com estranhos padrões e pontos circulares. De acordo com um estudo publicado em 3 de junho no Journal of Fish Biology, há apenas um punhado de criaturas nas águas havaianas capazes de criar cicatrizes como essa, e todas elas são enormes cefalópodes.

 

Embora seja impossível ter certeza do que exatamente marcou o tubarão, os pesquisadores argumentam que poderia ter sido um “fantasma do fundo” – outro nome para a lula gigante indescritível (Architeuthis dux).

 

As lulas gigantes são habitantes misteriosos do fundo do oceano, que podem crescer de 10 a 13 m de comprimento. Eles são pouco estudados porque vivem tão profundamente debaixo d’água – tipicamente cerca de 300 metros abaixo ou mais, escreveram os pesquisadores. Suas habitações profundas colocam as lulas gigantes não apenas fora do alcance da maioria dos humanos, mas também de muitos pretensos predadores.

 

O tubarão oceânico pode ser uma exceção, escreveram os pesquisadores. Como é sabido que os tubarões mergulham a profundidades extremas em missões de forrageamento, é possível que um chicote de azar desafortunado possa encontrar-se bisbilhoteiro com uma lula gigante.

 

Pode ser o que aconteceu com o tubarão marcado na foto. Segundo os pesquisadores, a série de marcas circulares nas costas e nas laterais do tubarão tem o formato exatamente como as ventosas dos tentáculos de uma lula grande. Do tamanho das marcações, a lula ofensora deve ter pelo menos o mesmo tamanho do tubarão (com pelo menos 7 pés ou 2 metros de comprimento) e possivelmente ser ainda maior, escreveram os pesquisadores.

 

Apenas três tipos de lulas conhecidas por habitar as águas havaianas poderiam ter criado as marcas, concluiu a equipe: uma lula do gênero Thysanoteuthis ou Megalocranchia (ambas conhecidas por crescer até quase 1 metro) ou a lula gigante.

 

Muitos outros detalhes do encontro continuam sendo um mistério. Por exemplo, quem deu o primeiro soco? (Ou morder? Ou dar um tapa?) Segundo os pesquisadores, esta é a primeira vez que grandes marcas de tentáculos são observadas em um tubarão, por isso é difícil dizer se o tubarão estava agindo em ataque ou defesa. No entanto, “a falta de ferimentos óbvios sugere que eles eram mais defensivos (ou seja, o tubarão atacou o cefalópode)”, escreveram os pesquisadores no estudo. “Padrões semelhantes de cicatrizes são vistos em cachalotes, predadores conhecidos de grandes cefalópodes”.

 

Quando pressionado para obter detalhes sobre o encontro, o tubarão respondeu apenas: “Você deveria ver o outro cara”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science