Estranho casal britânico vive como se fosse 1940 e se recusa a viver no presente

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Embora na década de quarenta as pessoas tenham experimentado os horrores da Segunda Guerra Mundial, esse casal britânico é muito apaixonado por esse período e prefere continuar vivendo no passado.

Visitar a casa de Dean Turner e Lynda Easton é como viajar no tempo e ser transportado até 1940. Esse casal do Reino Unido se veste e vive como os britânicos quase 80 anos atrás, e para eles é normal.

Estranho casal britânico vive como se fosse 1940 e se recusa a viver no presente

Ambos são apaixonados pelo estilo vintage e participam de muitos eventos nos quais se fala sobre antiguidades. Dean ganhou até o prêmio Mr. Vintage UK 2019 graças ao seu  colete, relógio de bolso e bigode.

O casal decidiu ir além dos eventos e começar a viver no estilo dos anos quarenta no século XXI. Suas roupas, móveis e utensílios domésticos têm a aparência de objetos pertencentes à Segunda Guerra Mundial.

Muitos dos móveis e objetos de sua casa foram obtidos por Dean como uma herança de seus avós, por isso são relíquias autênticas. Eles têm livros e até revistas sobre como sobreviver durante esse conflito internacional. Para eles, esse tempo foi o melhor porque, por causa da guerra, as pessoas trabalham juntas para avançar.

Estranho casal britânico vive como se fosse 1940 e se recusa a viver no presente

“Os anos 40 foi provavelmente o melhor período. Era uma época em que todos trabalhavam juntos como uma equipe e isso era encorajador. As pessoas eram incentivadas a cultivar alimentos e não desperdiçar nada, que é o que deveríamos estar fazendo.”

É claro que, além de promover o estilo de vida do passado, esse casal excêntrico também gosta de atrair a atenção das pessoas. Ninguém pode evitar olhar para eles quando saem para passear ou quando passam na frente de sua casa.

Estranho casal britânico vive como se fosse 1940 e se recusa a viver no presente

Dean e Lynda, 48 e 49 anos, até têm utensílios para cultivar sua própria comida no jardim de casa e até uma sirene de alarme que ainda funciona. Eles se sentem muito normais vivendo no passado e não se preocupam mais com o que as pessoas dizem.

“Agora estou em um momento em que considero que não devemos julgar um ao outro, estou acima disso. Não me incomoda o que as pessoas dizem ou o que pensam.”