Estudante de designer de produtos cria empresa de bioprodutos com a borra do café

ANÚNCIO

Ela é uma estudante do curso da designer de produtos que teve uma ideia inusitada e muito coerente para apresentar o seu trabalho de conclusão de curso. No final das contas, o resultado foi a criação de uma empresa inovadora e sustentável.

A história abaixo foi parar nos principais jornais e portais da cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. A narrativa é sobre Ana Paula Naccarato, que deu início a uma empresa própria que é focada na produção de biojoias e objetos de decoração a partir da borra do café.

ANÚNCIO

Ainda está pensando como a borra de café pode resultar em tudo isso? Vamos fazer o seguinte… Continue lendo porque a gente vai explicar a história todinha.

O problema da borra de café no lixão

Todo mundo (ou quase todo mundo) adora tomar aquele cafezinho todos os dias, não é verdade? Agora, já parou para pensar para onde é que vai a borra que fica no filtro de papel ou de pano depois que a água quente passou pelo pó do café? Para o lixo, certo?

Sim, na maioria das vezes, ela vai para o lixo. Mas, foi pensando em mudar esse cenário que a Ana Paula usou a sua criatividade. Sempre focada em conceitos de sustentabilidade, ela começou a procurar alternativas para essa borra do café, que prejudica o meio ambiente quando vai ao lixo.

ANÚNCIO

Afinal, a borra vai para os lixões e aterros sanitários. Sendo assim, se transforma em uma das principais produtoras do chorume. O que é o chorume? Na prática, podemos dizer que é um tipo de líquido que entra no solo e que tem alto potencial de contaminação.

No fim das contas, ele chega até o lençol freático, contaminando a água. Bom, a gente nunca parou e pensou nisso. Mas, vendo por esse ângulo, aquele nosso cafezinho diário é um verdadeiro problema para a sustentabilidade. Mas, calma, que a Ana Paula tem uma ideia.

O trabalho de conclusão de curso

Toda a ideia começou a ser pensada em 2016, quando ela estava para se formar no curso de Design de Produtos pela FAAP (Fundação Armando Alvares Penteado). Assim, ela criou um material produzido a partir da borra do café – que recebeu alguns aglutinantes naturais.

Em entrevistas recentes, ela disse que “durante a escolha do tema, eu só tinha ideia que a sustentabilidade seria o meu centro. Depois de poucos mais de um mês levantando possibilidades, questionei o café e a borra dele”.

Ela comentou também que uma das coisas mais surpreendentes que ela descobriu foi que consumimos menos do que 5% do produto. E o restante? Assim como a borra, o restante quase que total vai para o lixo.

“Bebemos, na verdade, a água que passa pelo pó e retira as essências do café, o produto em si se concentra quase todo no filtro”, explica Ana Paula.

A ideia inovadora da Ana Paula

A partir disso, ela partiu em busca de uma solução. Fez experimentos, estudos, foi atrás de matérias novos, de tecnologias. Por fim, descobriu que daria para transformar o produto em um material vegetal rígido, que era sustentável.

Passados 12 meses, nascia a Recoffee Design. Essa é uma empresa sediada em Ribeirão Preto que tem uma linha de mais de 60 modelos disponíveis feitos a partir da borra de café. Entre eles, nós destacamos as biojoias, objetos de decoração e peças de revestimento de paredes.

Os preços médios que variam entre R$ 35 e R$ 240.

“Como todo negócio, o início não foi fácil, ainda mais quando se trata de um produto novo. Hoje, o desafio maior ainda é fazer com que as pessoas entendam que quando você compra mais do que o design e o material, você compra o conceito de sustentabilidade”, avalia.

O processo criativo dos produtos

Agora que você sabe como surgiu a ideia, vamos considerar que tudo está baseado no consumo consciente e no ciclo de vida do produto que é vendido ao mercado.

Assim, a empresa de Ana Paula visa minimizar os impactos negativos que o café poderia trazer ao meio ambiente. Em troca, ela busca resultados positivos, como ressignifcar os materiais que seriam jogados no lixo. E esse processo é chamado de upcycling.

“Além de sermos uma marca de design que oferece produtos sustentáveis, temos também uma missão com a educação do consumidor, mostrando que existem alternativas inimagináveis como opções de escolhas sustentáveis”, finalizou ela.

Ah, e pode ser que você tenha uma dúvida: onde ela consegue as borras de café? Ana Paula comenta que tem parcerias com cafeterias e restaurantes, que com o tempo tornarem-se os seus maiores fornecedores da borra de café.

Curiosidades!

E para fechar o artigo, nós trouxemos aqui 2 palavras que foram bastante citadas e que pode ser que ainda não tenha mostrado o seu verdadeiro significado. Uma delas é “upcycling” e a outra é “resíduos”, que tem um valor maios do que imaginamos. Vamos lá.

Saiba qual é a quantidade de café por dia recomendada no máximo

Upcycling – nada mais é do que uma reutilização criativa. O termo tem referência ao processo de transformação de resíduos, que são produtos inúteis ou indesejados, em novos materiais ou produtos de melhor qualidade ou com maior valor ambiental, que podem ser comercializados, usados e reaproveitados.

bioprodutos com a borra do café

Resíduos – se a gente focar no café, vamos ver que ele é uma das bebidas mais consumidas no planeta, gerando cerca de 20 milhões de toneladas de resíduos por ano em todo o mundo. O dado é de uma pesquisa da Universidade de Navarra, na Espanha. Logo, os resíduos do café têm papel importante na sustentabilidade do planeta.

ANÚNCIO