Esta ave estava extinta a milhares de anos e acaba de reaparecer graças ao seu raro processo evolutivo

ANÚNCIO

ANÚNCIO

O místico pássaro Fênix conseguiu renascer das cinzas e continuar a viver, e na vida real existe uma espécie que o alcançou, desde que se extinguiu, mas graças à evolução, voltou a habitar o planeta.

Este é um caso excepcional em aves que só é conhecido no Cuvier Ravine, que não voa e se extinguiu há cerca de 136.000 anos, quando o seu habitat no atol de Aldabra foi coberto pelo Oceano Índico, mas depois, voltou, em um caso que parece uma lenda.

Esta ave estava extinta a milhares de anos e acaba de reaparecer graças ao seu raro processo evolutivo

Na revista Zoological Journal of the Linnean Society o fenômeno conhecido como desenvolvimento iterativo é explicado, o que permitiu que esta espécie “retornar” do dilúvio que sofreu em Aldabra, e isso foi confirmado por terem sido encontrados fósseis antes e depois que as águas cobriram tudo.

Segundo especialistas, esse tipo de evolução permite que uma espécie gere uma prole secundária, com a mesma linhagem original, em momentos diferentes, mesmo que as interações passadas já estejam extintas, como neste caso.

Há 136 mil anos, a ferrovia de Cuvier desapareceu, mas quando as águas baixaram e o atol voltou a ser exposto, voltaram a povoá-lo, mas isso aconteceu há cerca de 100 mil anos, ou seja, permaneceram 36 mil anos extintos.

Esta ave estava extinta a milhares de anos e acaba de reaparecer graças ao seu raro processo evolutivo

Por não existem predadores no atol, o pássaro perdeu a capacidade de voar, e novas espécies também vieram com essa deficiência, com modificações nos ossos do tornozelo.

David Martill, um acadêmico da Escola da Terra e Ciências Ambientais da Universidade de Portsmouth e co-autor da pesquisa, disse:

“Não temos conhecimento de nenhum outro exemplo em aves em geral que demonstre esse fenômeno tão claramente. Só aqui em Aldabra, que é o registro fóssil mais antigo que temos nas ilhas oceânicas, é evidência fóssil que mostra os efeitos dos eventos a mudança no nível do mar e extinção e recolonização.”

Na época do dilúvio, alguns espécimes conseguiram escapar para outro local, onde continuaram o processo evolutivo que lhes permitiu recolonizar o atol, 36.000 anos depois, o que é incrível.

Esta ave estava extinta a milhares de anos e acaba de reaparecer graças ao seu raro processo evolutivo

Derivado da mudança climática, as águas do atol estão subindo novamente, o que implica um risco de extinção para esta espécie, embora se acontecesse novamente, provavelmente poderiam realizar a façanha novamente e retornar.

Os humanos do futuro (se conseguirem sobreviver) poderão encontrar esta ave incrível e resistente, quando a água descer novamente.