As bizarras próteses que usadas em 1880

ANÚNCIO

Por um curto período, a foto de uma garotinha com pernas protéticas ricamente enfeitadas confundiu os historiadores.

Alguns achavam que a sofisticação de sua prótese seria impossível na virada do século, mas circulavam rumores de que suas pernas eram obra de um sapateiro genial que morava em Chard, Inglaterra.

ANÚNCIO

gillingham prosthetic

James Gillingham trabalhou na Bota de Ouro em 1864. Nesse mesmo ano, um canhoneiro chamado Will Singleton ficou gravemente ferido disparando um canhão em comemoração ao futuro casamento do rei Eduardo VII.

Os ferimentos de Singleton foram tão graves que seu braço direito teve que ser amputado no ombro. As próteses já existiam há centenas de anos, mas muitas eram rudes e pesadas. Os médicos disseram que não havia como encaixá-lo com um braço protético, mas Gillingham discordou.

ANÚNCIO

Gillingham se ofereceu para fazer de Singleton um membro artificial, sem nenhum custo. Usando técnicas que ele vinha desenvolvendo em segredo, Gillingham fez um membro em couro moldado leve.

O dispositivo estava muito à frente de suas contrapartes de madeira. Singleton era capaz de levantar cargas pesadas, usar uma pá e até dirigir um carrinho de mão – todos os trabalhos necessários para sua profissão como jardineiro.

As bizarras próteses que usadas em 1880

Gillingham estava empolgado por testar suas idéias e foi capaz de publicar os resultados de sua primeira incursão em próteses no Medical Lancet Journal. Ele até conheceu o cirurgião da rainha.

Gillingham tinha grande talento como engenheiro e empresário. Ele manteve registros detalhados de seu trabalho e registra-se que ajudou milhares de pacientes em 1910. Ele sentiu que seu processo era simples.

Em vez de tentar lixar pedaços de madeira para depois serem prensados primitivamente a um paciente, ele os colocou com couro antes de tratá-los com calor na forma desejada. Para ele, encaixar o membro era o verdadeiro trabalho, e precisava ser personalizado para cada pessoa.

gillingham sketch

Esses membros de couro foram então amarrados. Eles eram leves, fortes e não precisavam de reparos com frequência.

A construção de um membro pode levar dez dias e a estabilidade pode ser melhorada com a adição de aço.

Gillingham estava obcecado com a praticidade de suas próteses. Ele criou suportes para os pulsos, acessórios para talheres, dedos mecânicos, arreios e estofamento, conforme necessário.

Embora não tivesse formação médica, ele era descrito como um filantropo no coração, frequentemente elaborando planos de pagamento com os pacientes, tentando encontrar uma maneira de ajudar alguém que pudesse precisar de seus serviços.

Para Gillingham, não se tratava apenas de dar às pessoas o mínimo necessário para sobreviver.

Um trabalhador agrícola escreveu uma nota para ele em 1880, ilustrando o valor de uma boa prótese:

“Eu dificilmente poderia fazer qualquer coisa sem ele [um braço]. Eu posso cortar 37 ovelhas por dia. Posso colher o milho com uma máquina, palha e rick, breu e milho. Joguei uma carga de milho das duas às seis horas”

Uma das razões pelas quais pacientes como o trabalho de Gillingham não era apenas a utilidade fornecida por seus dispositivos, mas a sensação de normalidade que retornou às suas vidas.

Eles podiam andar como todo mundo de novo. Não era importante se a mão intrincadamente esculpida era funcional, o importante era que eles tinham algo que os fazia parecer e se sentir humanos.

Essa missão é evidente em sua fotografia de paciente. Gillingham fotografou cada paciente, e sua inclinação artística definitivamente promove sua humanidade.

Essas fotos não são apenas fotos de referência secas de suas criações, mas retratos das pessoas que ele ajudou a tornar inteiras novamente.

gillingham prosthetics

Sua família assumiu o negócio quando ele morreu em 1924.

Seu negócio se tornou um epicentro de próteses na região e, eventualmente, se tornaria um centro para soldados feridos nas Guerras Mundiais.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO