As 5 pessoas mais doentias do mundo que ficaram impunes por seus crimes

Algumas vezes, “monstros” que cometeram algum crime que pode ser considerado completamente doentio, são libertados após bom comportamento ou até mesmo por causa do cumprimento total de sua pena, dependendo de seu país.

E já isso já não é de hoje, afinal, existem vários deles que já foram libertados e hoje você confere 7 deles:

Carl Tanzler

Carl se apaixonou por uma de suas pacientes, Elena de Hoyos, pouco antes de ela falecer, mas isso não fez com que ele parasse de “cortejar” a moça, por isso, fez questão de pagar pelo enterro de sua amada, para que assim pudesse ficar com a chave da tumba e então roubar o corpo e levá-lo para sua casa.

Utilizando gesso, fios e cera, Carl literalmente a “taxidermizou”, dormindo junto dela à cama, e substituindo os membros que iam apodrecendo conforme iam se soltando, ele fez até mesmo uma espécie de vagina artificial e colocou entre suas pernas.

Isso durou por 7 anos, quando ele foi visto dançando com “Elena” em frente à janela e foi detido, porém, o estatuto de limitação de seus crimes tinha expirado, e os tribunais não podiam fazer nada contra ele, ele então foi solto sem nenhuma pena.

Depois do ocorrido, a família recuperou o corpo, o que fez com que Carl pedisse diretamente à família por ele, o que foi, obviamente negado, mas isso não o impediu de fazer uma efígie em tamanho real…

Issei Sagawa

Sagawa cometeu um dos piores crimes que se possa imaginar, em 1981, ele atraiu uma colega de sala para seu apartamento em Paris e atirou em seu pescoço para depois fatiar pedaços de suas nádegas e coxa para comê-los e, depois disso, estuprar o corpo.

Ele foi descoberto quando carregava o corpo esquartejado em malas para um lago, onde iria desovar um corpo e, quando a polícia o prendeu, ele disse: “Eu a matei para comer sua carne.

O tribunal francês o considerou insano e inadequado para ser julgado, sendo assim, ele foi deportado para o Japão, porém, o sistema francês se recusou a contar detalhes do ocorrido, o que obrigou o governo japonês a libertá-lo.

O que é pior, ele ainda virou uma celebridade, faz entrevistas e até já escreveu livros, glorificando o seu crime e, ainda, diz que não tem dúvidas de quer comer carne humana novamente, é “algo delicioso”.

Karla Homolka

Juntamente de Paul Bernardo, os dois são a dupla mais notória de serial killers do Canada, pois assassinaram e estupraram 13 mulheres, mas acredita-se que tenham sido bem mais.

Foi Homolka quem começou tudo, ela drogou a própria irmã e ainda a deu de presente de casamento a Paul, juntos, eles então a estupraram e a assassinaram, sendo que tudo foi filmado, depois, fizeram isso com outras mulheres.

Depois de descobertos, Paul foi condenado à prisão perpétua, mas Homolka fazer um trato, confessando o estupro, a tortura e o assassinato de três pessoas, ela passou apenas 12 anos na prisão, sendo libertada em 2005.

Hoje, ela se casou, mora em Quebec e tem 3 filhos que frequentam uma escola em que todos os pais e professores sabem o que a mãe deles fez.

Pedro Lopez

Pedro passou apenas 14 anos na prisão, e digo apenas porque ele estuprou e matou mais de 300 pessoas.

A maioria de suas vítimas eram meninas entre 9 e 12 anos, eles as abduzia, estuprava, estrangulava e as enterrava em uma grande vala.

Quando foi pego, no Equador, ele confessou os mais de 300 crimes, a polícia, inclusive, encontrou a vala onde ele estava  enterrando sua vítimas, o que o sentenciou a 16 anos de prisão, mas ele cumpriu apenas 14 por bom comportamento.

Depois de libertado, foi enviado para um hospital psiquiátrico na Colômbia, onde ficou por apenas 3 até ser considerado mentalmente saudável para retornar à sociedade.

Após ser libertado, ele saiu do país e acredita-se que ele tenha matado novamente, tornou-se procurado, mas não foi visto desde então.

William Seabrook

William era um escritor fascinado pelo ocultismo e, particularmente, adorava a ideia do voodoo zumbi, tanto que foi por causa dele que os zumbis ganharam a popularidade que tem hoje.

Em 1920, William decidiu experimentar carne humana, foi até o oeste da África e implorou a um chefe tribal para que ele participasse em um ritual canibal. O chefe o enganou e deu a ele carne de gorila, mas William não estava satisfeito e iria conseguir carne humana do seu próprio jeito.

William tinha um amigo que trabalhava em um hospital e conseguiu contrabandear restos humanos, então, fez um jantar para todos os seus amigos, onde convidou as pessoas a assistir enquanto comia carne humana. Tecnicamente, fazer isso não era um crime, então ele simplesmente continuou vivendo livre, até mesmo descreveu o sabor da carne humana em um de seus livros.

Além disso, todo o seu comportamento era doentio, mas teoricamente não era ilegal, em sua vida privada, ele gostava de manter suas esposas e amantes acorrentadas por dias, chicoteando-as e as fazendo comer do chão como se fossem animais.

Sinceramente, não sabemos como isso pode não ser ilegal, mas o fato é que William ficou livre por toda a vida.