Aprenda a confundir seu cérebro #3

51

De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê  anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.

Sendo assim, seu cérebro é inteligente o suficiente para não se enganar, analisando e traduzindo as informações que lhe são passadas. De acordo com a teoria “Gestalt”, nosso cérebro preenche informações que lhe faltam quando é preciso, de maneira que quando você lê a palavra “cadeira”, ninguém imagina um assento, quatro pernas, um apoio e os pregos que lhe compõem.

No entanto, existem fatos que confundem completamente esse importante órgão, como é o caso da síndrome do membro fantasma, que acontece em amputados, que conseguem sentir coceira e outras sensações no membro que não existe mais. Isso acontece porque o cérebro do indivíduo registrou há muito tempo a existência dessa região específica como “perna”, por isso, o amputado tem a percepção de que algo toque o seu membro, mesmo este sendo inexistente.

Isso também pode acontecer com quem não teve esse tipo de complicação.




Então, faça o teste:

O teste deve ser feito mentalmente e com a máxima rapidez.

#Não use calculadora, nem papel e caneta

Pense no número 1000, some 40. Acrescenta mais 1000. Acrescenta mais 30 e novamente 1000. Acrescenta 20. Acrescenta 1000 e ainda 10.

Qual é total? 5000

Errado!

A resposta certa é 4100!

Se não acredita, verifique com a calculadora.

Isso acontece porque: O que acontece é que a sequência decimal confunde o nosso cérebro, que salta naturalmente para a mais alta decimal (centenas em vez de dezenas).

Receba mais em seu e-mail
Topo