A tentativa dos nazistas no parque jurássico era possível?

ANÚNCIO

Desde que o romance foi lançado em 1990, e o filme de mesmo nome estreou três anos depois, a humanidade ficou impressionada com o poder e as forças destrutivas dos dinossauros no Jurassic Park.

Se você não conhece a história, ela se concentra em cientistas e pessoas de negócios que se juntam para recriar dinossauros, encontrando seu DNA dentro de mosquitos presos em milhões de anos em âmbar.

ANÚNCIO

Como as cadeias de DNA são incompletas, o os cientistas substituem as partes que faltam pelo DNA do sapo e começam a chocar dinossauros de bebês. Seu objetivo? Ganhar dinheiro exibindo dinossauros em um parque temático. Como você pode imaginar, isso resulta em caos. 

Era uma ideia brilhante, dividida em ficção científica e fato científico, com plausibilidade suficiente para que pudesse ser crível. Depois de ouvir a história, muitos fãs ficaram se perguntando: os cientistas poderiam realmente encontrar o DNA antigo e usá-lo para criar um animal que estava morto há muito tempo?

Ainda mais, os cientistas já tentaram algo assim? As respostas, loucas o suficiente, são sim e não.

ANÚNCIO

O problema, ao que parece, está na teoria equivocada de que o DNA poderia sobreviver todo esse tempo. Não é assim, dizem especialistas. O DNA só poderá ser lido por cerca de 1,5 milhão de anos. Como os dinossauros viveram 66 milhões de anos atrás, não seria possível usar nenhum de seu DNA. É simples assim.

Crítica | Jurassic World: Reino Ameaçado

Mas digamos que encontramos algum DNA dino em âmbar em algum lugar. É verdade que as fitas não estariam completas e não há como simplesmente adicionar DNA de outro organismo. Por um lado, não fazíamos ideia do que adicionar ou do que era necessário. Muitos animais são muito diferentes e não funcionariam.

Mas isso não significa que ninguém tentou. Os nazistas, por exemplo, fizeram uma tentativa louca de trazer as criaturas antigas de volta da extinção.

De acordo com os historiadores, suas loucas ambições nazistas eram mais ou menos assim: eles queriam trazer de volta animais mortos há muito tempo, como tinham durante os tempos de seus ancestrais, e deixá-los viver em grandes reservas naturais.

Segundo a lenda, os antigos alemães provaram sua masculinidade entrando na selva para matar um desses animais. Os nazistas também queriam esse desafio.

Liderados pelo zoólogo Lutz Heck, eles viajaram pelo mundo tentando recriar bovinos grandes e com chifres chamados aurochs por meio de procriação seletiva, e alguns afirmaram que tiveram sucesso na década de 1930.

Muitos países, como o Canadá, realmente doaram animais para o esforço. O gado Heck, que tinha chifres longos, era naturalmente agressivo e podia viver por conta própria. Eles foram finalmente encontrados em toda a Europa.

CC Hausrindlainz

Heck continuaria seus experimentos quando os nazistas subissem ao poder, criando raças de cavalos selvagens semelhantes às de muito tempo atrás.

E em 1941, quando os nazistas assumiram o zoológico de Varsóvia, Heck escolheu os animais que ele queria levar para casa na Alemanha. Ele gostava de caçar e matar os outros.

Mas a ciência dele era ruim. A ideia de reprodução traseira resulta em animais que podem se parecer com outros, mas, geneticamente, eles não são nada como a coisa real.

A maioria dos animais selvagens que eles criaram acabaram sendo mortos quando as forças aliadas invadiram a Alemanha. Em Berlim, os animais vagavam pelos escombros destruídos pela guerra, apenas para serem mortos por bombas ou canhões e depois comidos por moradores famintos.

Os animais Heck sobreviventes agora vivem em zoológicos, e o próprio Heck viveu até os anos 80. Muitos ficaram horrorizados ao saber como o nazista descreveu a caça ao bisonte americano, que ele compartilhou em sua autobiografia em 1952:

“Um dos capítulos mais chocantes da história de nossos dias é o que se preocupa com a destruição quase completa … de uma espécie inteira e cheia de vitalidade, simplesmente através da loucura e ganância humanas, ambição e destrutividade cega”, escreveu ele.

Mais uma vez, ele estava falando sobre o bisonte americano. Não é exatamente o Jurassic Park. Mas também não é tão longe assim.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO