A população de elefantes do Quênia dobrou nas últimas três décadas

ANÚNCIO

O ano de 2020 nos trouxe notícias terríveis, desde incêndios florestais devastadores na Austrália, uma pandemia causando caos em todo o mundo, Kobe Bryant morrendo em um acidente de helicóptero e tudo mais.

Mas finalmente houve boas notícias e estão chegando do Quênia. A população de elefantes do país mais que dobrou desde que os números foram capturados em 1989.

ANÚNCIO

Naquela época, havia apenas 16.000 elefantes no Quênia. Esse número cresceu para cerca de 34.000, de acordo com o diretor do Serviço de Vida Selvagem do Quênia (KWS), John Waweru, que fez o anúncio durante uma visita ao Parque Nacional Amboseli para marcar o Dia Mundial do Elefante.

Novos bebês

“Nos últimos anos, conseguimos domar a caça furtiva neste país”, disse o ministro do Turismo do país, Najib Balala, no evento.

“Hoje também estamos lançando a campanha de nomeação de elefantes do Quênia Mágica, um festival anual cujo objetivo será arrecadar fundos da nomeação, para apoiar o bem-estar dos Rangers.”

ANÚNCIO

“Só este ano, nasceram cerca de 170 bezerros de elefante.”

O aumento no número se deve a uma missão massiva de reprimir os caçadores ilegais e garantir que os elefantes atuais tenham o habitat de que precisam para procriar. Os guardas florestais têm a função essencial de proteger os elefantes e agir como guardas armados para os animais ameaçados.

Caça caiu consideravelmente

Este ano, o Quênia viu apenas sete elefantes caçados, em comparação com 34 em 2019 e até 80 em 2018.

Continuando com uma atualização sobre a população de elefantes nos últimos anos, o diretor geral do KWS, John Waweru, acrescentou: “É uma sorte que o Quênia tenha uma estratégia de conservação e manejo para elefantes para orientar as estratégias de recuperação de elefantes, que tem visto mais de 100 % de crescimento na população do Quênia de 16.000 em 1989 para 34.800 no final de 2019.”

Caçadores matam cinco elefantes africanos em parque nacional do ...

Espécie decresceu a partir do interesse no marfim e chifres

Porém, infelizmente, os esforços impressionantes para aumentar o número de elefantes não estão sendo vistos no resto da África.

O continente abrigava 1,3 milhão de elefantes na década de 1970 e tem apenas cerca de 500.000 hoje – dos quais apenas 30.000 vivem em estado selvagem.

Isso se deve ao aumento do interesse nas importações de marfim e chifres de rinoceronte na Ásia.

No entanto, o presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, está determinado a adotar uma postura firme sobre o assunto – até mesmo ateando fogo a milhares de presas de elefante e chifres de rinoceronte para mostrar aos contrabandistas o que ele pensa de seus esforços.

Ele também introduziu penas de prisão mais longas e multas mais pesadas para aqueles que forem pegos praticando caça furtiva ou tráfico de animais.

Traduzido e adaptado por equipe MiniLua

Fonte: Lad Bible

ANÚNCIO