A perigosa proteção de futebol americano que poderia mais prejudicar do que proteger

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Diz-se que o primeiro jogo de futebol americano ocorreu no dia 6 de novembro de 1869.

Embora tenha pouca semelhança com o esporte apresentado no Super Bowl todos os anos, marcou um afastamento dos esportes da Europa, combinando chutes e passes para a frente.

À medida que a participação no esporte nas escolas da costa leste crescia, surgiram regras para padronizar o jogo.

Após seis anos de jogo disperso, Harvard enfrentou Yale no que é chamado de The Game.

Harvard and Yale renew their rivalry with The Game every year./CC Henry Trotter

Quase 2.000 pessoas apareceram para assistir ao primeiro jogo de Harvard contra Yale, e o caso de amor americano com o futebol se enraizou.

Enquanto as equipes de hoje são formadas por atletas profissionais praticando o esporte quase a vida inteira, os jogadores de futebol eram um punhado de esportistas de elite da faculdade, organizados em equipes nas quais as regras às vezes eram decididas antes do jogo.

Embora eles provavelmente tenham poucas chances contra atacantes fortes e chutadores de campo de 60 jardas, os jogadores da virada do século tinham pouco das tecnologias modernas de hoje.

Antes do advento dos capacetes de policarbonato equipados com suspensórios, correias para o queixo, indicadores de impacto e almofadas de ar, a maioria dos jogadores usava um boné de couro simples – se é que havia alguma coisa.

Acredite ou não, foram necessários 24 anos de ferimentos brutais antes que alguém buscasse proteção na cabeça.

O primeiro caso documentado de um capacete de futebol usado em um jogo foi em 1893.

O capacete foi usado por Joseph Reeves, que tinha um gorro de couro bruto feito por um sapateiro local porque seu médico disse que outro chute na cabeça poderia ser fatal.

vintage football helmet

Mesmo com um punhado de jogadores começando a levar a sério a segurança, não foi até 1943 que a Liga Nacional de Futebol Americano exigiu que todos os jogadores usassem capacete.

Antes disso, o arnês era opcional em campo!

Embora os comitês oficiais de regras possam não ter levado a sério o traumatismo craniano durante a primeira metade da década de 1900, os jogadores eventualmente o fizeram.

À medida que o futebol se tornou cada vez mais popular, os jogadores se tornaram cada vez mais valiosos.

Algumas empresas de sapateiros e açougues começaram a se especializar em capacetes de couro.

vintage football helmet

A Wilson Sporting Goods começou como uma empresa de embalagem de carne.

Com amplo acesso ao couro, Thomas E. Wilson entrou no mundo dos esportes fabricando bolas de futebol e basquete, mas o capacete de couro provou ser um produto muito mais competitivo.

Os designers tiveram que equilibrar proteção e conforto.

A ventilação tornou-se um grande ponto de venda, pois um capacete não seria bom se um jogador suado decidisse parar de usá-lo.

O capacete por si só não era suficiente para proteger o rosto de um jogador, e os capacetes não incluiriam barras de rosto até 1955.

Em vez disso, alguns jogadores de futebol usavam protetores de nariz de metal.

Embora esses jogadores possam ter protegido o nariz, eles provavelmente teriam seus dentes destruídos.

Este exemplo é feito de metal, mas a borracha seria introduzida ao longo do aparelho do queixo para proteger os dentes do usuário.

nose guard

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys