A maioria dos pais não confia em homeschooling, mostra pesquisa

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Apenas dois em cada cinco pais se sentem confiantes em ensinar seus filhos em casa, pois as escolas permanecem fechadas devido ao coronavírus.

De acordo com uma pesquisa do Sutton Trust, 47% dos pais de classe média dizem que se sentem confiantes em ensinar os filhos em casa e apenas 37% dos pais de classe média dizem que se sentem da mesma maneira.

A maioria dos pais não confia em homeschooling, mostra pesquisa

O fundador da instituição de caridade para mobilidade social e presidente da Fundação para Educação, Peter Lampl, disse que ‘o ambiente de aprendizagem nunca foi tão importante’ e enfatizou a necessidade de reduzir o impacto do fechamento de escolas em alunos carentes.

Ele acrescentou: Os pais mais abastados são mais capazes do que as famílias mais pobres de gastar dinheiro em recursos e apoio aos filhos.

Para reduzir o impacto do fechamento da escola nos alunos mais desfavorecidos, gostaríamos de ver aulas on-line de alta qualidade disponíveis para os alunos mais desfavorecidos.

A maioria dos pais não confia em homeschooling, mostra pesquisa

O secretário geral da Associação de Líderes de Escolas e Faculdades, Geoff Barton, disse: ‘Não estamos surpresos que muitos pais não se sintam confiantes em ensinar crianças no  homeschooling como eles foram colocados em uma situação completamente inesperada muito de repente.

“Estamos particularmente preocupados com o impacto nas famílias desfavorecidas e com o potencial dessa situação de ampliar ainda mais as lacunas educacionais entre ricos e pobres.”

Barton disse que os pais não precisam educar em casa seus filhos.

Ele acrescentou que as escolas ainda fornecerão aos alunos esquemas de trabalho que os professores podem realizar remotamente.

O Departamento de Educação publicou online uma lista de recursos educacionais. A BBC anunciou planos para apoiar a educação de “todas as crianças no Reino Unido” e fornecer “ritmo e rotina” para seus pais.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Metro