A indesejável doença humana que pode ser fatal para esses animais

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Por todas as suas propriedades temíveis, pelo menos o câncer tem uma fraqueza – você não pode pegá-lo de outra pessoa. Mas, infelizmente, esse não é o caso de todos os organismos vivos. Os demônios da Tasmânia podem pegar um câncer um do outro.

tasmanian devil

A REALIDADE LOONEY

Embora sejam conhecidos por muitos apenas de “Taz”, o personagem giratório e monstruoso de Looney Tunes, os demônios da Tasmânia são, de fato, animais de verdade. Do tamanho de cães pequenos, são marsupiais de pêlo preto e seus parentes mais próximos incluem cangurus e coalas.

E enquanto outros animais, incluindo músculos, amêijoas e cães, também podem transferir suas células cancerígenas um para o outro, nenhum grupo de animais foi tão dramaticamente afetado pelo câncer contagioso quanto os demônios da Tasmânia. Esta espécie em extinção perdeu 80% de sua população devido à “Doença do Tumor Facial do Diabo”, ou DFTD.

MANTENHA SUAS CÉLULAS

Eis como funciona: os seres humanos não podem ter câncer um do outro, pois cada pessoa tem DNA diferente. Se uma célula de um corpo humano tentasse entrar em outro corpo humano, o corpo hospedeiro a rejeitaria rapidamente. Mas, por alguma razão, os demônios não têm a mesma resposta forte. Também há algo de estranho na maneira como esses tumores funcionam que os tornam capazes de evitar a rejeição.

Se ao menos os demônios da Tasmânia se mantivessem sozinhos, a doença talvez não se espalhasse rapidamente pelas populações. Sabe-se que os demônios lutam entre si, mordendo seus rostos, desalojando pedaços de tumores, que caem nas feridas em seus próprios rostos. Lá, o tumor cancerígeno se instala e cresce.

A situação era tão terrível que, a certa altura, os cientistas acreditavam que os demônios já estavam extintos. No entanto, isso mudou nos últimos anos.

Embora o câncer contagioso ainda seja uma grande ameaça, uma que poderia acabar com a espécie, a taxa de infecção parece ter se estabilizado. Alguns demônios são resistentes ao câncer e podem viver mais tempo com os tumores, e alguns até curaram seus próprios tumores. Ter essa capacidade de coexistir com o câncer permite que eles vivam mais, tenham mais bebês e transmitam essas características para a próxima geração – a seleção natural em ação.

tasmanian devil

Em janeiro de 2019, os pesquisadores publicaram um artigo na revista Ecological Society of America, que mostrava modelos de retorno aos demônios da Tasmânia. Com base nas simulações que eles fizeram, 22% dos futuros possíveis incluem demônios coexistindo com a doença por 100 anos ou mais. 57% das simulações mostraram o câncer desaparecendo completamente.

Aqui está a esperança de Taz chegar!

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys