A “floresta fóssil” mais antiga do mundo acaba de ser descoberta em Nova York

ANÚNCIO
ANÚNCIO

A floresta mais antiga do mundo acabou de ser descoberta no norte de Nova York, a oeste do rio Hudson e um pouco ao sul de Albany.

Descobertas em uma pedreira de calcário, tudo o que resta da floresta de 386 milhões de anos são algumas redes de raízes fossilizadas em uma pedreira de calcário do Cairo, Nova York. Há muito tempo, as árvores gigantes da floresta antiga provavelmente cobriam uma região que se estendia para a Pensilvânia e além, escreveram os pesquisadores. E são cerca de 2 a 3 milhões de anos mais antigos que o recordista anterior da floresta mais antiga, descoberta a 40 quilômetros a oeste de Gilboa, Nova York.

A "floresta fóssil" mais antiga do mundo acaba de ser descoberta em Nova York

“É surpreendente ver as plantas que antes se pensavam terem preferências de habitat mutuamente exclusivas crescendo juntas”, disse Chris Berry, pesquisador da Cardiff University, no País de Gales, e co-autor de um estudo sobre a floresta antiga publicado em 19 de dezembro na Revista Current Biology, em comunicado.

Quando a floresta existia, essa parte do vale do Hudson era um delta do rio, motivo pelo qual fósseis de peixes foram encontrados na mesma pedreira.

Nenhuma das árvores da floresta antiga se reproduziu usando sementes multicelulares, escreveram os pesquisadores, e produziu descendentes usando esporos unicelulares. Havia três tipos de árvores na floresta antiga: cladoxilopsídeos, que eram como samambaias primitivas sem as folhas verdes planas (estas também eram comuns no local de Gilboa); archaeopteris, que em alguns aspectos se assemelhava a coníferas modernas, mas tinha folhas planas e verdes; e um único exemplo de um terceiro tipo de árvore não identificado.

Os pesquisadores escreveram que essa floresta revela um marco fundamental na história climática da Terra. À medida que as plantas desenvolviam raízes de madeira grossas, duradouras e ricas em carbono, elas extraíram o dióxido de carbono da atmosfera, alterando fundamentalmente a composição global do ar do planeta. As próprias plantas se tornaram importantes sumidouros de carbono.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science