Início Curiosidades

A América planejou usar raposas brilhantes contra o Japão na Segunda Guerra

Você acredita que o governo dos Estados Unidos quase enviou raposas brilhantes para assustar o povo japonês durante a Segunda Guerra Mundial?

Durante o auge da guerra, os Estados Unidos não tinham uma agência unificada de coleta de informações. Os ramos das forças armadas, junto com os departamentos de Estado, Guerra e até o Tesouro, todos coletaram informações independentemente um do outro.

Isto é, até junho de 1942, quando o presidente Franklin D. Roosevelt assinou uma ordem presidencial criando o Escritório de Serviços Estratégicos (OSS). Precursor da CIA de hoje, o OSS foi encarregado de coletar “informações estratégicas” e realizar operações psicológicas clandestinas.

Em seus três curtos anos de serviço, produziu algumas das estratégias de guerra mais loucas dos Estados Unidos.

Entre alguns dos ataques psicológicos mais estranhos planejados pelo OSS estava o “Projeto Fantasia”. Em 1943, o OSS desenvolveu uma estratégia para pintar com rapidez as raposas vivas com tinta luminosa e colocá-las sobre o povo japonês.

Por que raposas? Essa resposta está na religião japonesa conhecida como xintoísta. A religião tradicional do Japão, o xintoísmo, remonta ao século VIII. Sem deuses ou deusas centrais para adorar, os xintoístas se dedicam a espíritos invisíveis chamados kami. Um desses kami é conhecido como Inari, uma raposa espiritual.

Enquanto no folclore tradicional japonês, as raposas eram vistas como guardiões fiéis, também eram “animais bruxos” e, quando Inari era visto iluminado ou brilhando, a má sorte estava no horizonte.

Com a cultura japonesa ainda profundamente envolvida em tradições supersticiosas durante a Segunda Guerra Mundial, o OSS pretendia capitalizar essas crenças desencadeando numerosos bandidos – grupos de raposas – no continente japonês. Mesmo que o golpe não terminasse a guerra, certamente criaria caos entre o povo japonês.

Os testes iniciais foram realizados no Central Park de Nova York. O OSS despachou 30 raposas que “foram pintadas com um produto químico radiante que brilhava no escuro”. O plano teve o efeito pretendido. Os nova-iorquinos ficaram “horrorizados” com a visão das raposas fantasmas aparecendo do nada.

Com o sucesso do plano, o OSS avançou implementando a próxima fase, “Operação Fantasia”. A agência enviou agentes em todo o mundo, coletando raposas em massa para invadir o Japão.

A operação não foi muito longe, no entanto. Em 6 de agosto de 1945, os Estados Unidos lançaram a primeira bomba atômica na cidade japonesa de Hiroshima, encerrando efetivamente a Segunda Guerra Mundial e a “Operação Fantasia”, e a necessidade de raposas brilhantes junto com ela.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys