9 mulheres que fingiram ser homens

Nossa sociedade já foi muito, mas muito mais machista do que hoje. Com isso, no decorrer da história, muitas mulheres se passaram por homens pelos mais diversos motivos. Separamos 9 casos muito curiosos, confira:




1. Viveu como homem para praticar medicina

a99763_woman-posing_1-irisish-doctor

Dr. James Barry, nasceu Margaret Ann Bulkley, na Irlanda em 1792. ela queria ir para a universidade algo que era proibido para as mulheres na época. Em 1809, ela viajou com sua mãe para Edimburgo, onde se matriculou como James Barry para estudar medicina e literatura.

Em 1812, Bulkley se formou em medicina e foi a primeira mulher a fazê-lo na Grã-Bretanha. Mudou-se para Londres, se qualificou no Royal College of Surgeons (“Colégio Real de Cirurgiões”), e em 1813, foi comissionada no Exército como Assistente Regimental. Ela serviu em Waterloo, antes de viajar para a Índia e depois para a África do Sul, onde trabalhou como médica militar e cirurgião pessoal do Governador do Cabo, Lord Charles Somerset. Foi enquanto trabalhou como médico de Somerset que surgiriam os primeiros rumores sobre o verdadeiro gênero de Barry, acredita-se que nesta época Barry e Somerset foram amantes e ela deu a luz uma criança.

Durante os 40 anos seguintes, Barry serviu como cirurgião do Exército, até se aposentar e retornar à Inglaterra onde ela morreu um ano depois.




2. Passou por homem e ainda se casou com outra mulher

a99763_woman-posing_2-indonesia

Uma mulher indonésia que se passou por homem e até se casou com outra mulher foi detida pela polícia depois que sua esposa alertou as autoridades sobre “sua decepção”.

Old Surwati de 40 anos admitiu ter falsificado sua identidade. Ela tinha tomado o nome de Muhamad Efendi Saputra e dizia as pessoas que era um policial. Sua atuação aparentemente era perfeita, ela conseguiu enganar a todos e até mesmo se casou, com Heniyati, de 25 anos, em uma cerimônia na ilha de Java.

A jovem esposa soube que Muhamad era uma mulher alguns meses após o casamento. Ela ficou desconfiada após ele se recusar a consumar a união, revirou as coisas “dele” enquanto estava fora e encontrou uma cédula de identidade que mostrava que “ele” era uma mulher chamada Surwati.

Surwati foi presa depois que sua esposa alertou a polícia. Se ela for condenada, poderá cumprir até sete anos por falsificar sua identidade. Surwati alegou que estava decepcionada por um casamento anterior, do qual ela tem um filho de 17 anos.




3. Egípcia revelou que vivia como homem há 42 anos

a99763_woman-posing_3-egyptian

Em 2015, uma mulher egípcia se passou por homem por 42 anos, para poder sustentar sua filha após a morte de seu marido.

A mulher, de 64 anos, perdeu seu marido enquanto estava grávida e ficou sem renda. As mulheres eram proibidas de trabalhar, e Sisa Abu Daooh foi forçada a se vestir de homem para poder trabalhar e sustentar a casa. Ela fazia tijolos e polia sapatos, entre outros trabalhos. Por décadas ela fez isso e trabalhou duro para sustentar sua filha e seus netos.

Ela usava um manto comprido com mangas largas, e um turbante branco, às vezes um chapéu masculino e sapatos masculinos pretos.




4. Fingiu ser homem para lutar na Guerra Civil

a99763_woman-posing_4-civil-war

Frances Clalin nasceu em Illinois, na década de 1830, ela casou-se, teve três filhos e usou o nome de Jack Williams para se alistar no exército com seu marido, durante o outono de 1861.

Ela serviu lado a lado com seu marido, até que ele morreu em meio a guerra civil americana, durante a Batalha de Stones River, em 31 de dezembro de 1862.

Ela era alta e masculina, tinha pele bronzeada e caminhava com um passo de soldado. Dizia-se que era um excelente cavaleiro e um espadachim altamente respeitado.

Após a batalha em Stones River em 1863, sua identidade passou a ser conhecida, alguns rumores alegam que ela revelou sua verdadeira identidade, outros dizem que ela foi ferida mais a frente na batalha e então foi descoberta.




5. Escritora de ficção fingiu ser homem para fazer sucesso

a99763_woman-posing_5-sci-fi-author

O escritor James Tiptree Jr. era uma figura indescritível. Ele deu apenas uma entrevista em sua carreira (conduzida por correio), tinha uma caixa postal e uma conta bancária, mas ninguém nunca tinha encontrado com ele pessoalmente. Em 1976, eles aprenderam porque - Tiptree era Alice Bradley, uma ex-agente da CIA que tinha adotado o pseudônimo ao terminar seu doutorado em psicologia.

Bradley disse que quando ela começou a escrever ficção científica, queria criar uma persona que não lembrasse em nada seus trabalhos anteriores, mais focados no mundo feminino, de forma que nenhum editor rejeitasse seus trabalhos de ficção apenas por lembrar destes trabalhos anteriores.

Ela adotou o sobrenome “Tiptree” de um frasco de geléia e o nome masculino “James”, porque era mais comum um homem na ficção científica do que uma mulher.




6. Músico de jazz que na verdade era mulher

a99763_woman-posing_6-jazz-singer

Billy Tipton foi um jazzman extraordinário, um talentoso pianista e saxofonista que tocou com algumas personalidades da época, antes de formar seu próprio trio, popular nos anos 50. Para amigos e vizinhos, ele era um homem de família, um marido amoroso e pai devotado de três filhos adotados. Mas depois que o idoso e doente Tipton morreu em casa, em 1989, de úlcera, descobriram que na verdade ele era uma mulher.

A revelação deixou os filhos de Tipton perplexos e desolados. Nem Jon Clark, de 26 anos, nem seus irmãos, Scott também 26, e Billy Jr., de 19 anos, tinham qualquer suspeita de que seu pai era do sexo feminino. A notícia também surpreendeu os moradores da tranquila cidade.

A única pessoa que poderia lançar luz sobre o mistério - Kitty Oakes, a mulher que Tipton afirmou ter se casado no início dos anos 60 - se recusou a falar sobre sua vida juntos.

Tipton nasceu Dorothy Lucille Tipton, em 1914, e começou a tocar violino aos 7 anos. Mais tarde estudou música e quando tinha 16 anos, quiz ser um músico de jazz. Foi então que Tipton começou a aparecer como um homem, na esperança de que isso aumentaria suas chances de sucesso.




7. Fingiu ser homem para encontrar o marido que desapareceu em batalha

a99763_woman-posing_7

Quando seu marido desapareceu no campo de batalha em 1778, Brita Hagberg tornou-se Petter e se juntou ao exército sueco. Enquanto procurava por ele, ela foi condecorada por coragem devido a suas ações heróicas e quando encontrou seu marido, voltou à vida como mulher.




8. Passou por homem para ganhar campeonato de Judô

a99763_woman-posing_8-judo

Rena Kanokogi nasceu Rena Glickman, em 1935, no Brooklyn. Ela aprendeu judô com alguém do bairro, mas suas tentativas de competir nos clubes de judô da cidade sempre foram barradas por ser mulher.

Até que em 1959, ela se apresentou como um homem nos campeonatos de judô de Nova York e venceu, mas teve que devolver sua medalha de ouro depois que um dos organizadores perguntou se ela era uma mulher.

Sem opções para competir nos Estados Unidos, em 1962 Kanokogi viajou para Tóquio para praticar no Kodokan, tornando-se a primeira mulher no dojo principal com os homens. Enquanto estava no Japão, ela conheceu seu futuro marido, Ryohei Kanokogi, um faixa-preta em judô e karatê. Eles voltaram para os EUA e começaram a treinar mulheres no judô.

Kanokogi criou o primeiro Campeonato Mundial Feminino de Judô, em 1980, quando hipotecou sua casa para cobrir os custos. Também treinou a equipe feminina de judô dos EUA em 1988, quando o judô feminino juntou-se aos jogos olímpicos. Ela faleceu em 2009 aos 74 anos.




9. Fingiu ser homem para namorar a amiga

a99763_woman-posing_9

Em 2015, Gayle Newland, uma inglesa de 25 anos, que passou por homem para enganar sua amiga e levá-la para sua cama, foi condenada por três acusações de agressão sexual.

Gayle fez amizade com sua vítima, também de 25 anos, posando no Facebook como “Kye Fortune”, usou um maiô por baixo para disfarçar o corpo e colocou chapéu para disfarçar sua aparência.

“Eles” namoraram durante dois anos, período no qual em aproximadamente dez ocasiões tiveram relações sexuais.

Kye dizia ter vergonha de seu corpo, devido a alguns tratamentos hospitalares, e com essa alegação convenceu sua namorada a usar uma venda durante as relações.

A vítima disse que descobriu a identidade de “Kye” quando ela conseguiu tirar sua venda durante uma das relações, em seu apartamento, e viu Newland usando um dildo de borracha.

Receba mais em seu e-mail
Topo
<-- /home/minilua/public_html/wp-content/cache/static/https/minilua.com/9-mulheres-que-fingiam-ser-homens/index.html //-->