Minilua

14 animais anões que provam que os erros da natureza são belos

Os problemas metabólicos que produzem um animal anão são variados e muito semelhantes ao dos seres humanos, mas ao mesmo tempo muito diferente. Quando um ser vivo não atinge o tamanho típico normalmente são encontradas evidências em outros membros da mesma espécie, o que chamamos de nanismo. Ele é muito mais comum do que as pessoas pensam e ocorre em todo o reino animal e vegetal de uma forma muito semelhante.

O engraçado é que, apesar de todas as semelhanças, as razões por que isso ocorrem são muito diferentes em cada espécie. O nanismo animal chama ainda mais a atenção considerando o quão pouco sabemos sobre isso. A verdade é que sim, existem animais anões, mas por quê? Isso é um pouco mais complicado para aprender. Embora este assunto seja bem estudado, entende-se que ele pode estar associado a genética, endócrina ou razões nutricionais.

Quando ocorre em seres humanos, 75% dos casos são devidos a acondroplasia, uma condição causada por uma mutação genética nos 3 (FGF3) alterando as proporções das extremidades. Ao mesmo tempo que ela é produzida por uma deficiência do hormonio do crescimento pela pituitária ou subnutrição grave.

É conhecido como nanismo insular, a diferença notável no tamanho dos animais que vivem em ambientes fechados em uma área isolada (como uma ilha rodeada por água ou outro espaço com barreiras).

Assim, a redução dos seus corpos permite que eles cumpram com suas necessidades metabólicas simples mais rapidamente. Esta seleção ocorre ao longo do tempo dentro de um ambiente fechado, e não o tempo todo.

Por outro lado, algumas espécies mais pequenas sofrem de outros problemas como o gigantismo insular. Para crescer mais do que o normal, eles podem competir mais facilmente em nichos menos específicos e contra outros animais. Estas mudanças são causadas da mesma forma que no nanismo animal, mas em proporções e formas diferentes.

<-- /home/minilua/public_html/wp-content/cache/static/https/minilua.com/14-animais-anoes-que-provam-que-os-erros-da-natureza-sao-belos/amp/index.html //-->