– Ainda hoje, um dos fetiches mais bizarros. Motivado, pois, pela presença de dois elementos centrais: o sádico e o voyeur.

– Em sua base, a desestimulação cerebral, exercida, todavia, durante o ato sexual.

– Entre os objetos mais utilizados, a sacola plástica, afixada, sobretudo, na região da cabeça.

– Neste fetiche, aliás, o perigo eminente, representado, inclusive, através de ferimentos e mortes. 

– Mortes? Exatamente, querido leitor. E não são poucas! De 200 a 1000 para sermos mais exatos.

– Entre os casos mais emblemáticos, o do rockeiro Michael Hutchence. Ex-vocalista do INXS, ele perderia sua vida de modo prematuro, realizando, para tal, o fetiche citado.

– Ao longo dos anos, a prática passou a ser desestimulada, tanto por médicos no geral, como por especialistas e entusiastas.