Carregando...       Aguarde alguns segundos...
Selecione uma categoria »  Curiosidades · Humor · Animes · Games · Filmes · Música · Assustador · Nostalgia · Religião · Adulto +18
Sobre o Minilua Anuncie Mande suas idéias
Aguarde alguns segundos...

29 Biografia Minilua – Ramón Valdez, o “Seu Madruga” 

Próxima matéria » + CuriosidadesNota: 10

Don Ramón, mais conhecido como "Seu Madruga", tornou-se um ícone na comunidade latina e um ídolo para a nação brasileira. Infelizmente, em 9 de agosto de 1988, encerrou a trajetória do ator que encantou o mundo e deixou sua marca em mais de 50 filmes, mas o que o consagrou foi a inesquecível imagem do "Seu Madruga", no programa Chaves.

Ramón Gómez Valdés del Castillo, nascido na cidade do México, em 2 de setembro de 1923. Irmão de Manuel "El loco" Valdés e de Gérman Valdés (Tin Tan), todos humoristas, filhos de Rafael Goméz Valdés e Angellini Guadalupe Castillo.

Ramón e seus irmãos trabalhavam juntos ao lado de grandes cômicos mexicanos, como o Cantinflas.


 

Em 1968, juntou-se a Chespirito onde, ao lado de Maria Antonieta de las Nieves e Rubén Aguirre (o professor jirafales), formaram os fabulosos Supergenios de la Mesa Cuadrada, onde Ramón fazia as vezes de um bêbado, até que em 1972 estreou como o Don Ramón no seriado Chaves.

Os colegas de trabalho diziam que Valdés era o "Seu Madruga" sem tirar nem por, pois gostava de se vestir daquela mesma forma, fumava bastante e, segundo a Florinda Meza "levava a vida com muito relaxo".

O nome "Seu Madruga" surgiu quando a equipe Maga não foi muito com a cara do nome Don Ramón para o personagem, então, acharam que Ramón tinha uma feição meio boêmia e de quem não havia dormido bem à noite, aí surgiu esse nome que agradou a todos.


Mesmo já sendo um ator experiente, todo aquele reconhecimento do público era algo inédito para Valdés.

Em 1979, por problemas internos, Carlos Villagrán (o Kiko) sumiu da série e, posteriormente Valdés aceitou se juntar a ele em seus novos trabalhos na América do Sul.

Em Frederico (Federrico, em espanhol), interpretou o "Don Mocho", até que voltou para o Chaves em 1981, onde ficou pouco tempo, e voltou a atuar ao lado de Carlos Villagrán em Ah que Kiko!, onde seu personagem  também se chamava Don Ramón.

Chespirito ligava insistentemente pedindo para que Valdés voltasse, pois dizia que este era o único companheiro que já o fizera chorar de rir.

Os últimos anos da carreira de Valdés foram dedicados ao circo, porém infelizmente o vício do cigarro consumia lentamente sua vida e, em 1988, após mais de dois meses internado no Hospital Santa Lena, faleceu vítima de um câncer de pulmão.

Edgar Vivar, o Seu Barriga, disse ter recebido a notícia no aeroporto, ao voltar de viagem, pensando se tratar de uma brincadeira, visto os dois serem muito próximos Já Maria Antonieta de las Nieves, a Chiquinha, chora até hoje a perda do companheiro, a quem tinha como um pai.

Video Chaves no casamento de Seu Madruga

Carlos Villagrán teria dito que costumava visitar o amigo no hospital, chegando até combinar de se encontrar com ele no inferno. Mas de todos os atores das séries de Chespirito, nenhum sentiu mais a morte de Don Ramón como Angelines Fernandéz, a bruxa do 71. Uma filha de Valdés (ele teve mais ou menos 10 filhos) contou que a atriz passou um grande tempo conversando com o amigo, debruçada sobre seu caixão. Repetia: "Mi roro, mi roro", que era o jeito carinhoso com que o chamava… O sofrimento de Angelines foi além da mera tristeza. Há quem afirme que após a morte de Don Ramón, a atriz descuidou da saúde, passando até a fumar mais do que de costume.


No México, Raul Padilha, o Jaiminho, foi aos poucos tapando o buraco deixado por Don Ramón, praticamente assumindo sua identidade.

É espantoso para os mexicanos o carinho que os brasileiros tem com o personagem, seja pelas incansáveis montagens em que ele aparece na internet, pelos jogos do Chaves que criamos por aqui ou pela interminável repetição do nome Madruga.

Fica para recordação dos eternos fãs uma declaração dada por Chespirito sobre o que sentia pelo amigo:

"Uma espécie de inveja boa, de suas faculdades de expressão. Ramón podia fazer um gesto tosco e a pessoa começava a tremer, eu pensava: "que não me encontre com um desses à noite na rua", e logo imediatamente, um sorriso, e a pessoa o adorava porque era de uma simpatia genial. Um pouco descuidado, talvez não chegou a brilhar mais, não por falta de talentos, senão porque… não tinha muito interesse nisso".

Fonte: BlogaritmoX

Não esqueça de avaliar SEMPRE. O que você achou desta matéria?
     Não gostei Sim, gostei        
Leia as outras partes desta série:

Ver todas desta série

Publicado em 29 de março de 2010 (4 anos atrás)

Próxima matéria » + CuriosidadesNota: 10

Publicado em 29 de março de 2010 (4 anos atrás) por Gerusa Luiz em "Curiosidades". Encontrou um erro? Clique aqui. Editar




Iniciando...